Boletim
Receba todas as novidades por email

 Fale conosco
Envie suas sugestões ao canal

 
Seleções
Domingo, 25 de junho de 2006, 17h56  Atualizada às 22h30
Portugal vence "guerra" contra a Holanda e avança
 
AP
Maniche comemora o gol da dramática vitória de Portugal
Maniche comemora o gol da dramática vitória de Portugal
Últimas de Portugal
» Felipão rejeita Brasil e fica em Portugal até Euro 2008
» Monaco quer volante português Maniche
» Valencia demonstra interesse por Cristiano Ronaldo
» Governo português nega isenção de impostos aos atletas
» Todas as notícias de Portugal
» Todas as notícias de Holanda
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

Portugal e Holanda fizeram, neste domingo, em Nuremberg, a partida mais confusa de toda a Copa do Mundo. Em jogo no qual o personagem principal foi o árbitro russo Valentin Ivanov, que mostrou oito cartões amarelos e quatro vermelhos, recorde absoluto na história da competição, os comandados de Luiz Felipe Scolari levaram a melhor por 1 a 0.

Veja fotos do jogo
Jogo entre Portugal e Holanda bate recorde de expulsões
Confira a tabela da fase final
Opine: o que você achou da partida?

Com o resultado, o time rubro-verde cumpriu a meta estabelecida pelo treinador e alcançou as quartas-de-final. No próximo confronto, marcado para sábado, às 12h (de Brasília), em Gelsenkirchen, mede forças com a Inglaterra, que superou o Equador por 1 a 0.

O jogo foi marcado por confusão do início ao fim. Logo aos 4min, Boulahrouz tirou Cristiano Ronaldo do jogo com uma entrada dura e escapou de ser expulso. A disputa permaneceu equilibrada até os 22min, quando Maniche recebeu na área, fintou Ooijer e balançou a rede.

A partir daí, o árbitro passou a dar sinais de fraqueza e perdeu o controle da partida. Ainda no primeiro tempo, ele expulsou Costinha com seis minutos de atraso e ignorou voadora de Nuno Valente em Arjen Robben dentro da área, alegando duvidoso impedimento de Dirk Kuyt na jogada.

Na etapa final, a Holanda partiu com tudo em busca do empate e o jogo se tornou uma guerra. À medida que as cotoveladas e empurrões se multiplicavam, Ivanov mostrava que estava completamente perdido, fato que ficou claro quando puniu Luis Figo com apenas um amarelo por cabeçada em van Bommel.

Boulahrouz e Deco exageraram na violência e também foram expulsos. Com dez contra nove em campo, os holandeses apertaram o cerco, mas não souberam aproveitar a vantagem para criar boas jogadas. Já nos acréscimos, Van Bronckhorst fez mais uma falta dura e foi expulso, garantindo ao confronto deste domingo o recorde de cartões vermelho na história das copas.

O jogo

A Holanda começou a partida assustando Portugal. Logo a 1min, Robben avançou pela esquerda e deixou na meia-lua para Kuyt, que rolou para Van Bommel. O volante bateu forte e mandou a bola a um palmo da trave defendida por Ricardo.

Pouco depois, Boulahrouz aplicou dura entrada em Cristiano Ronaldo e escapou apenas com o cartão amarelo. O atacante português levou a pior no lance, machucou a coxa direita e se arrastou até os 33min, quando foi substituído por Simão Sabrosa.

Passado o bom início holandês, os portugueses conseguiram equilibrar as ações. O time de Luiz Felipe Scolari aproveitava sua vantagem numérica no meio-campo para impedir a criação das jogadas do adversário, que era obrigado a apostar nos lançamentos.

Quando um dos três atacantes da equipe laranja conseguia receber a bola, Portugal tinha problemas para contê-los. Assim, aos 14min, Van Persie avançou sem grandes problemas pela direita, carregou para o meia e bateu perigosamente à direita.

Os portugueses, no entanto, foram mais eficientes quando chegaram à frente. Aos 22min, ainda que mancando, Cristiano Ronaldo ganhou disputa na direita e tocou para Deco, que cruzou rasteiro. Pauleta ajeitou, e Maniche fintou Andre Ooijer antes de bater forte e abrir o placar.

O panorama da partida não foi alterado com o gol. Aos 37min, Van Persie recebeu no bico da área e esteve perto de marcar aquele que seria um dos mais belos tentos do Mundial. Depois de aplicar uma seqüência de fintas, deixou Ricardo Carvalho e Nuno Valente e bateu para fora.

Dois minutos depois, Costinha, que já tinha amarelo, aplicou entrada duríssima em Ooijer e foi poupado pelo árbitro. Pouco depois, os holandeses voltaram a reclamar bastante, quando Robben levou uma voadora de Maniche dentro da área. O confuso árbitro Valentin Ivanov apontou um duvidoso impedimento de Kuyt na jogada.

A indignação do time laranja só diminuiu nos acréscimos, quando Costinha colocou a mão na bola no meio-campo e foi expulso com seis minutos de atraso. Pouco antes, Van der Sar fez grande defesa em chute de Pauleta, no último lance de perigo do primeiro tempo.

Para recompor o meio-campo português, Scolari trocou Pauleta por Petit e ficou sem atacantes de ofício em campo. A Holanda voltou sem alterações, mas com grande ímpeto ofensivo.

Logo aos 3min, Cocu ficou com sobra na risca da pequena área e acertou o travessão de Ricardo. No minuto seguinte, Kuyt recebeu na área e foi ao chão após dividida com a zaga, mas o árbitro não apitou pênalti.

O ritmo da partida ficou alucinante. Enquanto os holandeses partiam com tudo em busca do empate, os portugueses tinham o contra-ataque à disposição. Não bastassem os três atacantes, Marco van Basten resolveu tirar o zagueiro Mathijsen e colocar o meia Rafael van der Vaart.

Em uma das chegadas rápidas de Portugal, estabeleceu-se pequena confusão após falta de Van Bronckhorst em Deco. Figo deu cabeçada em Van Bommel, e foi punido com um cartão amarelo pela agressão.

Pouco depois, Boulahrouz deixou o cotovelo na cara de Figo, recebeu o segundo amarelo e deixou sua equipe com dez em campo. O juiz, então, perdeu completamente o controle da partida. As entradas se multiplicaram, e o jogo ficou ainda mais recheado de confusões.

O lance mais emblemático ocorreu aos 27min, quando Johnny Heitinga ignorou o que manda o fair play e não devolveu a bola após atendimento médico a Ricardo Carvalho. Deco, então, aplicou um carrinho criminoso no lateral holandês e levou apenas amarelo.

Após a jogada, os portugueses foram tirar satisfação com Heitinga, e nova confusão foi estabelecida. Após alguns minutos de interrupção, Ivanov questionou seus assistentes e preferiu distribuir apenas cartões amarelos.

Pouco depois, no entanto, Deco pegou a bola do chão e impediu cobrança rápida de falta. Seguindo determinação da Fifa, o juiz puniu a atitude com cartão amarelo e mandou o meia para o vestiário.

Novamente com um a mais, a Holanda partiu desordenadamente para o ataque e criou algumas oportunidades. Na mais clara delas, Kuyt recebeu livre, cara a cara com Ricardo, mas chutou em cima do goleiro.

Mesmo com tantas confusões, Valentin Ivanov deu apenas seis minutos de acréscimo. Já aos 50min, Giovanni van Bronckhorst perdeu bola no campo de defesa e foi obrigado a fazer falta, recebendo seu cartão vermelho. Foi o fim perfeito para a mais conturbada partida do Mundial.

Ficha técnica
Portugal 1 x 0 Holanda
 
Equipes
Ricardo
Miguel
Fernando Meira
Ricardo Carvalho
Nuno Valente
Costinha
Maniche
Luis Figo
(Tiago)
Deco
Cristiano Ronaldo
(Simão Sabrosa)
Pauleta
(Petit)

Técnico:
Luiz Felipe Scolari
Edwin van der Sar
Khalid Boulahrouz
Joris Mathijsen
(Rafael van der Vaart)
Andre Ooijer
Giovanni van Bronckhorst
Mark van Bommel
(Johnny Heitinga)
Phillip Cocu
(Jan Vanegoor of Hesselink)
Wesley Sneijder
Robin van Persie
Dirk Kuyt
Arjen Robben

Técnico:
Marco van Basten
 
Gols
22min - 1º tempo
Maniche
 
Cartões amarelos
Maniche
Petit
Luis Figo
Ricardo
Nuno Valente
Mark van Bommel
Wesley Sneijder
Rafael van der Vaart
 
Cartões vermelhos
Costinha
Deco
Khalid Boulahrouz
Giovanni van Bronckhorst
 
Local: Frankenstadion, em Nuremberg
Árbitro: Valentin Ivanov (RUS)
Público: 41.000 espectadores

 

Redação Terra