Boletim
Receba todas as novidades por email

 Fale conosco
Envie suas sugestões ao canal

 
Seleções
Sábado, 8 de julho de 2006, 06h36 
Portugal estuda Eriksson para o lugar de Felipão
 
Últimas de Portugal
» Felipão rejeita Brasil e fica em Portugal até Euro 2008
» Monaco quer volante português Maniche
» Valencia demonstra interesse por Cristiano Ronaldo
» Governo português nega isenção de impostos aos atletas
» Todas as notícias de Portugal
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

A imprensa de Portugal já começa a especular quem seria o substituto de Luiz Felipe Scolari em caso de uma saída do treinador brasileiro após a disputa de terceiro lugar da Copa 2006, contra a Alemanha, neste sábado, às 15h (de Brasília). E o sueco Sven-Goran Eriksson, ex-treinador da Inglaterra, aparece entre os cotados.

Segundo o jornal Record, o presidente da federação portuguesa, Gilberto Madaíl, já estaria estudando essa possibilidade há alguns meses, antes mesmo da disputa do Mundial da Alemanha, que termina domingo. O treinador, porém, ainda não recebeu um contato de Madaíl.

O trabalho em favor de Eriksson começou há meses e Madaíl tem resistido às pressões para avançar nas negociações com o sueco. O fato de conhecer Portugal, por já ter trabalhado no país, ter uma casa nos arredores de Cascais e estar ligado a um empreendimento turístico no Algarve podem pesar em favor de Eriksson.

Outro nome estudado é o do português Manuel José. Ele já havia sido convidado por Madaíl para suceder António Oliveira, após o Mundial de 2002, mas acabou sendo preterido em favor de Felipão quando já tinha tudo preparado para começar a trabalhar. Uma possível contratação, agora, pode soar um pouco como tentativa de desagravo por parte de Madaíl.

Na última sexta-feira, Felipão afirmou que, apesar de ainda não definir seu futuro, tem grandes possibilidades de permanecer no comando da seleção portuguesa. Ele disse que se sente "muito bem" na Europa.

"Já disse mais de 150 vezes que gosto de Portugal, onde me sinto muito bem. Tenho um grupo maravilhoso de jogadores e trabalho com excelentes pessoas na federação, por isso não há motivos para sair", ressaltou.

Apesar de afirmar que quer permanecer, o técnico diz que pode sair caso não entre em acordo com o presidente Gilberto Madail.


 

Redação Terra