Esportes

> Esportes > Futebol > Brasileiro  > Copa do Brasil

  Personalidades
Ewerthon
Janeth

  Especiais
Copa do Brasil
Copa 2006
Copa América 2007
Dakar 2009
Eliminatórias 2010
Estaduais 2009
Eurocopa 2008
Formula 1 2009
Libertadores 2009
Jogos Paraolímpicos
Mundial de Futsal
Mundial Sub-17
Mundial Sub-20
Olimpíada
Pan 07

  Sites relacionados
ESPN
ESPN360
Futex
Futsal

Copa do Brasil
Quarta, 22 de junho de 2005, 23h53  Atualizada às 01h55
Paulista empata com Flu e leva a Copa do Brasil
 
EFE
Anderson, capitão do Paulista, levanta a taça
Anderson, capitão do Paulista, levanta a taça
Galeria de fotos
» Paulista empata e é campeão
 Últimas de Copa do Brasil
05h52 SP: balas de borracha e gás geram correria em festa palmeirense
01h16 Dracena nega relação entre derrota no clássico e Copa do Brasil
09h26 Edinho, do Palmeiras, pode fechar com Fluminense nesta sexta
14h24 Após eliminação, Vasco projeto bom Brasileiro
Busca
Busque outras notícias no Terra:
O Paulista conseguiu resistir à pressão de jogar no estádio de São Januário lotado, segurou o empate por 0 a 0 com o Fluminense e ficou com o título da Copa do Brasil.

Baixe o pôster do Paulista campeão
Mande uma mensagem para os jogadores do Paulista
Veja fotos da partida

Depois de eliminar equipes da Série A, como Botafogo, Juventude, Internacional, Figueirense e Cruzeiro, a equipe da cidade de Jundiaí não se intimidou diante dos cariocas e ratificou a condição de melhor time da competição.

Pelo segundo ano consecutivo, um time do interior paulista surpreende um carioca na decisão. Em 2004, o Santo André calou o Maracanã ao vencer o Flamengo por 2 a 0.

O Paulista é o primeiro time brasileiro classificado para a Copa Libertadores de 2006.

No jogo de ida, a equipe de Jundiaí havia vencido por 2 a 0 e poderia até perder por um gol de diferença no Rio de Janeiro.

Mesmo sabendo que um gol sofrido tornaria dramática sua situação, o Fluminense partiu para cima desde o início do jogo. O Paulista foi a campo com uma escalação mais defensiva do que a habitual, somente com Márcio Mossoró jogando no ataque.

O time carioca, porém, esbarrou desde o começo no próprio nervosismo, além da boa marcação do time paulista. Grande trunfo do Fluminense durante a temporada, as jogadas pelas laterais não eram exploradas com intensidade. As melhores chances eram em chutes de longa distância.

Os atacantes tricolores, principalmente Tuta, fizeram partida muito ruim. Invariavelmente, na primeira etapa, ficavam em impedimento. A insistência nas jogadas pelo meio e nos lançamentos longos facilitava o trabalho dos zagueiros paulistas.

Aos 25min, Diego criou a melhor jogada da primeira metade do jogo. Recebeu, avançou pela direita e, da entrada da área, bateu cruzado. Tuta passou atrasado de carrinho. No minuto seguinte, uma defesa do goleiro Rafael em cabeçada de Antônio Carlos adiou a abertura do placar.

Do outro lado, o Paulista não construiu praticamente nenhuma boa jogada no primeiro tempo. Apenas um contra-ataque mal concluído por Márcio Mossoró, aos 28min. Satisfeito com o 0 a 0, o time de Jundiaí marcava duro no seu campo e poucos jogadores se aventuravam à frente.

O Fluminense voltou um pouco melhor no segundo tempo. Aos 5min, Tuta teve grande chance quando uma bola espirrada ficou à sua frente, já dentro da área. O chute, porém, saiu torto. Um minuto depois, em cruzamento de Leandro da direita, o lateral Juan pegou de primeira e a bola passou muito perto do travesão.

Os dois bons momentos acenderam a torcida, que, desde o primeiro tempo, estava apreensiva. O Fluminense continuou melhor no jogo, mas desperdiçava as oportunidades que, a muito custo, conseguia criar.

Aos 14min, por exemplo, Juan invadiu a área, bateu cruzado rasteiro, mas Tuta passou novamente em branco no carrinho. Cinco minutos mais tarde, a melhor chance até então: Schneider cruzou, Tuta tocou de cabeça e Léo Guerra, sozinho na marca do pênalti, cabeceou para fora.

Com o passar do tempo, o desespero foi tomando conta dos tricolores. Sem conseguir trocar passes, o time passou a alçar bolas na área, sem grande sucesso. Ainda houve tempo, porém, para Leandro perder o gol mais feito do jogo. Aos 32min, livre de marcação, ele recebeu, dominou no peito, e, da linha da pequena área, chutou por cima do gol, na saída do goleiro.

A torcida apoiou o time até os minutos finais, mas, dentro de campo, o time não tinha mais forças. Nos últimos minutos, Preto Casagrande e Fabiano Eller, contundidos, continuaram no gramado apenas fazendo figuração, pois o time já tinha feito as três substituições.

Ficha Técnica
Fluminense 0 x 0 Paulista
Equipes

Kléber
Schneider
(Alan)
Antonio Carlos
Fabiano Eller
Juan
Marcão
Preto Casagrande
Diego
(Léo Guerra)
Juninho
(Toró)
Leandro
Tuta

Técnico:

Abel Braga

Rafael
Lucas
Anderson
Dema
Julinho
Fábio Gomes
Juliano
(Réver)
Amaral
Cristhian
Márcio Mossoró
André Leonel
(Abraão)


Técnico:
Vágner Mancini

Cartões Amarelos
Leandro Lucas
Márcio Mossoró
Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Leonardo Gaciba (RS)
Público e renda: 25.000 pagantes e R$ 216.000,00

Com Lancepress.
 

Redação Terra