0

Cristiano Ronaldo até marca, mas Manchester United segura 1 a 1 fora

13 fev 2013
19h40
atualizado às 20h28

No primeiro confronto de Cristiano Ronaldo diante do Manchester United após três temporadas longe de Old Trafford, o astro português até marcou a favor do Real Madrid, mas não evitou o empate por 1 a 1 em pleno Santiago Bernabéu, resultado válido pela primeira partida das oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa. Se Cristiano anotou para o time da casa seu 183º gol em 180 partidas, Welbeck havia sido responsável por inaugurar a contagem - ambos marcados no primeiro tempo.

Em crise no Campeonato Espanhol, competição em que está praticamente sem chances de superar o Barcelona e faturar o título, o Real foi superior diante do Manchester United, que aparentava desorganização tática durante os 90 minutos. Entretanto, curiosamente em bolas áreas e falhas da defesa adversário, Welbeck abriu o placar para os líderes do Campeonato Inglês, mas viu Cristiano Ronaldo subir mais alto que Evra para igualar e fechar a contagem em Madri.

Irregular na primeira fase, o Real Madrid se classificou em segundo lugar em seu grupo, enquanto o Manchester United avançou como líder, mas sendo derrotado por Cluj e Galatasaray nas rodadas finais. As duas equipes voltam a se enfrentar no próximo dia 5, às 15h45 (de Brasília), em Old Trafford, para definir mais um gigante das quartas de final da Liga dos Campeões da Europa.O Jogo - Com a esperada festa da torcida do Real Madrid em Santiago Bernabéu, o time da casa começou melhor, dominando a posse de bola e utilizando a velocidade de seus jogadores de frente para tentar abrir o placar logo no início. Depois de Khedira errar uma finalização logo no primeiro minuto e Di María puxar para o meio, mas bater pela linha de fundo, coube a Cristiano Ronaldo avançar pela esquerda e lançar no meio da área, onde a defesa do Manchester afastou e a sobra ficou nos pés de Fábio Coentrão, de primeira, acertar a trave.

Nos primeiros 12 minutos de bola rolando, só dava Real. Foram cinco finalizações, sendo três em direção ao gol, a pressão do arremate na trave de De Gea e cerca de 60% de posse de bola. Foi justamente nesse momento da partida em que os Red Devils conseguiram a primeira conclusão, com Wayne Rooney, sem sucesso. Ozil fez mais uma tentativa a favor do Real, mas quando sua equipe era superior é que veio o baque do primeiro gol sofrido dentro de casa.O Manchester United ainda não havia se acertado taticamente, tanto que Kagawa fazia a função de atacante ao lado de Rooney e Van Persie se sacrificava voltando ao meio-campo para armar. Mesmo desorganizados, os visitantes abriram a contagem aos 19 minutos, quando Rooney bateu escanteio aberto, na marca do pênalti, Welbeck ganhou por cima de Sérgio Ramos e cabeceou com precisão no canto de Diego López.

Superior mesmo em desvantagem, o Real foi para cima do Manchester e quase igualou aos 27, quando Cristiano Ronaldo teve chance em cobrança de falta, acertou a barreira na primeira tentativa, mas recebeu o rebote para mandar perto da trave de De Gea. No lance seguinte, o português recebeu cruzamento preciso de Di María e acertou de cabeça, se aproveitando de uma falha defensiva de Evra, que ficou pregado ao chão na área.

Igualado o placar, as duas equipes tentaram se lançar ao ataque, mas com precaução, já que falhas defensivas ocasionaram os dois gols. Quem chegou mais próximo do gol antes do intervalo foi com Welbeck, que apareceu nas costas da defesa do Real após cruzamento de Kagawa e concluiu para fora após a dividida com Diego López. Os últimos minutos do primeiro tempo foram disputados em ritmo intenso em Santiago Bernabéu.

Ao contrário da etapa inicial, o segundo tempo foi jogado com os times se estudando mais e atacando menos. Enquanto o Real Madrid errava passes simples no meio-campo e permitia a aproximação dos volantes Carrick e Evans, o Manchester apostava nos contra-ataques diante de um adversário frágil na marcação, mas esperto nos desarmes e na velocidade do ataque. Cristiano Ronaldo tentou chamar a responsabilidade, mas a marcação exercida sobre o camisa 7 do Real era forte.

Com o jogo mais cadenciado, as boas oportunidades também foram raras. Aos 15 minutos, De Gea usou uma ação acrobática para evitar que Fábio Coentrão colocasse o time da casa em vantagem: Khedira avançou sem marcação pela direita e fez cruzamento preciso na segunda trave, onde o lateral português apareceu como elemento surpresa e obrigou De Gea a fazer uma defesa de circo: de lado e com os pés.Outro lance de destaque agitou o torcedor em Santiago Bernabéu: aos 26, Van Persie recebeu em velocidade no contra-ataque do Manchester United e acertou a trave de De Gea em um chute praticamente sem ângulo. Welbeck ficou com a sobra e lançou o holandês com liberdade para marcar. Após furar o chute, Van Persie viu Xabi Alonso afastar em cima da linha a última boa chance dos visitantes na partida.

Com Anderson, Giggs e Valencia acionados, Ferguson tentou fazer do Manchester um time com mais posse de bola, mas acabou vendo o Real Madrid, que teve Higuaín, Modric e Pepe em campo no segundo tempo errar muitas finalizações em um jogo bem pior tecnicamente.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
publicidade