0

Diretor do Cruzeiro diz que se arrependeu da parceira com Minas Arena

23 mai 2013
00h58
atualizado às 01h37
  • separator
  • 0
  • comentários

O imbróglio envolvendo o Cruzeiro e a Minas Arena, administradora do Mineirão, ganhou um novo capítulo nesta quarta-feira. Depois da nota assinada pelo presidente Gilvan de Pinho Tavares, foi a vez do gerente de futebol Valdir Barbosa soltar o verbo contra a concessionária. O dirigente disse que o mandatário tentou solucionar o problema, mas devido aos recentes episódios, foi impossível esconder o descontentamento.

<p>Cruzeiro venceu no Mineir&atilde;o nesta quarta-feira</p>
Cruzeiro venceu no Mineirão nesta quarta-feira
Foto: Washington Alves/ Vipcomm / Divulgação

–"A Minas Arena está achando que é dona do Mineirão. O presidente Gilvan de Pinho Tavares tentou através de diálogo contornar algumas situações. Agora, não tem mais jeito, a tampa da panela voou, azedou de vez o relacionamento entre as partes",– afirmou, à Rádio Itatiaia.

A turbulenta relação entre a empresa e o clube é justificada com a falta de transparência, inadimplência e, por fim, a veiculação do hino do Atlético-MG na decisão do Estadual. Barbosa revela que a Minas Arena deve ao Cruzeiro, desde 28 de abril R$ 500 mil referente à assinatura da fidelização. Ele ainda questiona os valores pagos pela administradora a alguns empresários, uma vez que o clube é responsável por 70% das despesas em dias de jogos.

Todos os problemas enfrentados com a responsável pela manutenção do Gigante da Pampulha fazem com que a cúpula se arrependa da fidelização de 25 anos à Minas Arena. "O Cruzeiro não se arrepende do contrato assinado, se arrepende do parceiro com o qual assinou o contrato no Mineirão",– avaliou.

O gerente de futebol também lembra que a agremiação não exigiu os R$ 2,5 milhões previstos em contrato quando a concessionária destinou o local para outros eventos.

–"O Cruzeiro quando chega ao estádio é um mero participante, não é um parceiro. Quando se negocia conosco, existe o bom senso. Quando vai fazer qualquer negociação com a Minas Arena, é o cumpra-se o contrato. O Cruzeiro poderia ter cobrado a multa de R$ 2,5 milhões pelos shows do Elton John, Paul McCartney, mas cobrou muito menos",– concluiu.

 

Fonte: Lancepress! Lancepress!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade