0

Em estreia, Novorizontino supera projeção e conquista acesso

5 out 2012
07h33
Emanuel Colombari

O Grêmio Novorizontino conquistou no último final de semana o acesso para a Série A-3 do Campeonato Paulista de 2013. Em 2012, ano em que Novo Horizonte voltou ao mapa futebolístico de São Paulo, o jovem "herdeiro" da cidade surpreendeu muitos prognósticos e subiu logo na estreia para a terceira divisão da competição estadual, ao lado de São Vicente, Votuporanguense e Joseense - os dois primeiros disputam ainda as finais da divisão em jogos de ida e volta.

» Veja fotos e escolha a pior camisa alternativa dos times brasileiros
» Veja como eram os astros do futebol mundial na infância
» Com Ronaldinho, americanos listam 100 atletas mais feios da história

Na primeira competição oficial do "novo Novorizontino", foram poucos os tropeços. Ao todo, 28 jogos, com 17 vitórias, oito empates e apenas três derrotas - duas delas ainda na primeira fase. Invicto por 17 partidas seguidas no campeonato, o time aurinegro conquistou o acesso dois anos após anunciar que disputaria torneios oficiais, uma vez que o Grêmio Novorizontino se profissionalizou em 2010 e tinha planos para participar da Segunda Divisão (equivalente à quarta) em 2011.

E não é exagero dizer que o resultado surpreendeu as previsões. "O objetivo principal foi cumprido. A princípio, o Novorizontino pretendia voltar a disputar competições profissionais e se organizar. Não tínhamos nem o objetivo de subir", explicou ao Terra Genilson da Rocha Santos, presidente do clube, que inicialmente planejava "fazer um trabalho bem feito". "Era esse o ponto de partida, era essa organização. Vieram os resultados. Tínhamos uma equipe bastante regular, e dentro dessa regularidade, conseguimos os resultados".

O próprio Genílson admite que o clube ficou surpreso com os resultados conquistados no primeiro ano, mas sem achar que o acesso "foi por acaso". "Quando chegou o meio da competição, pela maneira que vínhamos nos organizando, notamos que o Novorizontino estava com uma organização igual e melhor que a maioria das equipes. Isso nos condicionou a brigar por acesso, e a colocarmos como mais uma meta", explicou.

De fato, o clube vem se organizando há algum tempo para se estabelecer no futebol paulista. E antes que alguém confunda, é bom que se explique: o Grêmio Novorizontino não é o mesmo clube que foi vice-campeão paulista em 1990, perdendo o título para o Bragantino do técnico Vanderlei Luxemburgo. O clube da época, chamado Grêmio Esportivo Novorizontino, está licenciado da Federação Paulista de Futebol desde 1999.

O que conquistou o acesso em 2012 é, na verdade, o Grêmio Novorizontino, fundado em 2001 com o apoio de torcedores, dirigentes, empresários e ex-jogadores da cidade - o principal deles, o atacante Alessandro Cambalhota, ex-Vasco da Gama e Santos - para recuperar o prestígio do futebol da cidade. Com tamanha identificação, o time sempre atraiu mais de mil torcedores a todos os jogos a partir da segunda fase, vendendo 2.678 ingressos para o 1 a 1 em casa com o Olímpia que selou a promoção no último domingo.

Mais uma vez, o próprio Genílson admitiu uma grata recepção ao apoio da cidade. "Não esperávamos essa aceitação tão grande do torcedor do Novorizontino, essa presença jogo a jogo tão ativa", disse, feliz com a identificação da população com o novo clube que surgiu com a missão de resgatar o nome deixado pelo antigo Grêmio Esportivo Novorizontino. "Foi surpresa, sim. Mas sabíamos que o Novorizontino tinha história, tinha camisa. E isso tinha uma influência. Quando o torcedor foi ao estádio e viu como o Novorizontino se organizou, quis voltar ao estádio", completou.

O dirigente, porém, sabe que não foi apenas a tradição do nome e o apoio da cidade que ajudaram o time a conquistar o acesso, disputado por 41 equipes no início da Segunda Divisão. "O futebol funciona muito com um conjunto de coisas. Não adianta ter um time e não ter um campo, alimentação, os pagamentos não estarem em dia. Tudo precisa estar bem alinhado. Já tínhamos estrutura de campo, Centro de Treinamento e uma equipe competitiva, além de uma diretoria compromissada em dar o melhor. Fora de campo, tínhamos os torcedores que acreditavam e apoiaram a equipe", avaliou, colhendo o sucesso do planejamento de dois anos.

Nos 28 jogos que construíram o acesso do Novorizontino, a equipe se deparou com alguns rivais que se tornaram conhecidos. Foram quatro confrontos contra o José Bonifácio (dois na primeira fase e dois na terceira), quatro contra o Olímpia (adversário na primeira e na quarta fases) e outros quatro contra o Américo (segunda e terceira fases). Em 12 confrontos contra adversários diretos pelo acesso, foram seis vitórias e cinco empates, com apenas uma derrota - justamente na estreia, para o José Bonifácio, fora de casa, por 2 a 1.

"Foi uma caminhada difícil, foi uma competição difícil. Quando você joga com uma equipe em dois jogos e volta a encontrá-la, as equipes sabem seus pontos fortes e fracos. O time teve um crescimento na parte ofensiva e defensiva. Senão, dificilmente ela consegue passar dessas fases", analisou Genílson, que mais uma vez reconheceu o temor por um insucesso aurinegro na fase final, quando o time somou cinco pontos nos quatro primeiros jogos e esteve perto de não subir - uma vitória fora de casa na quinta rodada da quarta fase por 1 a 0 sobre o Fernandópolis deu tranquilidade para a equipe do técnico Élio Sizenando.

"É claro que, diante desses resultados (no início da quarta fase), chegamos a questionar: onde será que erramos? Será que não vamos conseguir? Teve um maior grau de dificuldade", afirmou Genílson. Com a restrição de idade no elenco (apenas três atletas podem ter mais de 23 anos), a equipe se manteve apenas com dois jogadores mais experientes: Alessandro Cambalhota, 39, e Cadu, 25, que não era titular. "O Cambalhota fortalecia o grupo psicologicamente, mas estava machucado. Então, jogamos sem jogadores acima dos 23. Mesmo assim, o grupo mostrou superação, se superou na maturidade e deu resposta quando precisou", analisou.

Terminada a primeira temporada como profissional, o Grêmio Novorizontino superou a restrição de idade da Segunda Divisão (apenas três jogadores podem ter mais de 23 anos), e conquistou o acesso. Agora, para poder sonhar em ver a camisa aurinegra brigando por mais espaço no futebol paulista, a diretoria começa a pensar já na Série A-3 do ano que vem. A meta: fortalecer o elenco de 2012, montado graças a uma parceria com o licenciado Paulínia Futebol Clube.

"Temos uma parceira até o final do ano que vem. Mas sabemos que a A-3 tem um nível técnico maior. É claro que não vamos desfazer nossa equipe completamente. Vamos trazer reforços, dar uma encorpada no elenco que temos, para mantermos a base do conjunto. Com essas peças novas, vamos criar uma equipe novamente competitiva", espera Genílson.

Enquanto a Série A-3 não começa, a cidade de Novo Horizonte comemora o acesso de 2012. "Foi muito legal: carreata com trio elétrico, jogadores uniformizados em cima", conta Marcelo Prado, diretor do clube, sobre a festa do time pelas ruas. "Fogos, carreata, bandeiras, agradecimentos ao comércio que apoiou... Depois, um belo almoço em uma chácara para comemorar o acesso - diretoria e jogadores. Os De Biase (família fundadora do antigo Novorizontino) sempre presente, sorrindo alegres. Esse time vai longe, se Deus quiser", completou.

Confira a campanha que garantiu o acesso do Grêmio Novorizontino:

Primeira fase
6/5: José Bonifácio 2 x 1 Novorizontino
13/5: Novorizontino 2 x 0 Olímpia
20/5: Novorizontino 2 x 0 Matonense
27/5: Jaboticabal 1 x 1 Novorizontino
3/6: Novorizontino 4 x 1 Taquaritinga
10/6: Novorizontino 2 x 1 José Bonifácio
17/6: Olímpia 3 x 0 Novorizontino
24/6: Matonense 0 x 4 Novorizontino
1/7: Novorizontino 1 x 0 Jaboticabal
8/7: Taquaritinga 1 x 3 Novorizontino

Segunda fase
14/7: Osasco 1 x 1 Novorizontino
18/7: Novorizontino 4 x 0 Atlético Mogi
22/7: Novorizontino 1 x 0 Américo
29/7: Américo 0 x 0 Novorizontino
1/8: Atlético Mogi 0 x 2 Novorizontino
5/8: Novorizontino 2 x 0 Osasco

Terceira fase
12/8: Américo 0 x 0 Novorizontino
15/8: Novorizontino 2 x 0 José Bonifácio
18/8: Guarujá 0 x 2 Novorizontino
26/8: Novorizontino 3 x 1 Guarujá
29/8: José Bonifácio 0 x 0 Novorizontino
2/9: Novorizontino 1 x 0 Américo

Quarta fase
9/9: Olímpia 2 x 2 Novorizontino
12/9: Novorizontino 2 x 1 Fernandópolis
16/9: Novorizontino 0 x 2 Votuporanguense
23/9: Votuporanguense 0 x 0 Novorizontino
26/9: Fernandópolis 0 x 1 Novorizontino
30/9: Novorizontino 1 x 1 Olímpia

"Herdeiro" do vice-campeão paulista de 1990, Grêmio Novorizontino contou com grande apoio da torcida
"Herdeiro" do vice-campeão paulista de 1990, Grêmio Novorizontino contou com grande apoio da torcida
Foto: Kall Rigamonti/Rádio Amizade FM / Divulgação
Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade