0

Com raízes na história, times da A3 sonham em voltar a ter destaque

25 jan 2013
20h52
atualizado às 20h59

Com raízes na história, times da A3 sonham em voltar a ter destaque Inter de Limeira, União São João de Araras, América de São José do Rio Preto, São Bento de Sorocaba, Marília, Francana, Novorizontino, Sertãozinho. Os mais desatualizados podem estranhar, mas estes clubes vão disputar a Série A3 do Campeonato Paulista. Em meio à transformação do futebol, com a chegada de novos clubes, a competição ganha o prestígio dos torcedores mais conservadores, que prezam pelo saudosismo e o romantismo do futebol antigo.

Com uma história rica, de títulos importantes ou bons jogadores revelados, como Roberto Carlos, Léo, Guilherme, Márcio Santos e Índio, a maioria destes clubes passou por uma situação parecida nos últimos anos: os problemas financeiros prejudicaram o desempenho dentro de campo e a sequência de rebaixamentos acabou se tornando inevitável.

Apoiados pelos torcedores apaixonados e apegados na história, estes clubes buscam retornar a um lugar de destaque no futebol estadual, mas têm pela frente um campeonato complicado. Neste final de semana, vinte clubes iniciam a disputa da Série A3 do Estadual e buscam uma das quatro vagas de acesso. Na edição passada, em situação parecida com os clubes citados, o Rio Branco de Americana, Capivariano e o Juventus da Mooca conseguiram o acesso. A outra vaga ficou com o novato Grêmio Osasco. Já na parte de baixo, caíram para a Segunda Divisão: Inter de Bebedouro, Osvaldo Cruz, Taboão da Serra e XV de Jaú.

Com Aloísio Chulapa, Francana traça caminho à elite

A Associação Atlética Francana fez a contratação mais comentada da Série A3: Aloísio Chulapa, ídolo do torcedor são-paulino. Com 37 anos, o jogador, que defendeu o CRB na temporada 2012, tem 14 títulos oficiais na carreira, foi campeão mundial pelo São Paulo e ficou entre os três melhores centrovantes do Campeonato Brasileiro de 2006 e 2007, na premiação da CBF.

Mesmo com a contração de Aloísio, o time de Franca passa por séria crise financeira, com dívidas que somam cerca de R$ 8 milhões. Com o atacante, a diretoria aposta em um plano de sócio-torcedor para melhorar a parte financeira do clube. Talvez este seja o principal empecilho da Veterana na volta à elite do futebol paulista, campeonato que não disputa desde 1982.

Com histórico de problemas físicos nas últimas temporadas, Chulapa deve ficar de fora da estreia da equipe contra o São Vicente. Márcio Máximo, técnico da equipe, contou à GE.net que o centroavante terá cuidados especiais em Franca.

"Sabemos das limitações. 37 (anos) não são 17", explicou. "Ele vai ter a preparação física individualizada, como deve ter nessa idade, para que possa produzir o máximo. E vamos colocar jogadores que possam ajudá-lo, principalmente com velocidade pelos lados, para que ele seja responsável pela finalização".

"Fábrica de talentos", União São João quer reviver o passado

Em 1991, o União São João revelava ao mundo do futebol o lateral Roberto Carlos. Mais tarde, outro jogador da posição despontou: Léo, ídolo no Santos e no futebol português. Durante a década de 90, o clube de Araras se especializou em lançar bons nomes para os grandes clubes brasileiros e adotou a alcunha "fábrica de talentos". Exemplo mais recente é o volante Fabrício, atualmente no São Paulo, que também surgiu no time do interior.

Primeiro clube-empresa do Brasil, o União figurou na elite do futebol nacional até 1997, quando foi rebaixado e não conseguiu retornar. Com uma realidade financeira bem diferente de quando iniciou as atividades, o tradicional clube de Araras amargou o rebaixamento para a Série A3 na última temporada. Em 2013, o União São João busca o acesso, para um dia reviver seu passado glorioso.

Campeã da elite em 86, Inter de Limeira quer voltar a "pensar grande"

Silas, João Luis, Juarez, Bolivar e Pecos; Manguinha, Gilberto Costa e João Batista; Tato, Kita e Lê: escalação que boa parte dos limeirenses apaixonados por futebol guarda na memória. Este foi o time que conquistou o título mais importante da história do clube: o Campeonato Paulista de 1986.Com 16 contratações para a temporada e um novo presidente, Taymom Bueno da Silva, de 26 anos, o mais novo da história do clube, a Inter espera voltar a "pensar grande" e retornar à elite do futebol estadual. Nesta temporada, a equipe poderá voltar a fazer o clássico local com o Independente, clube de menor expressão de Limeira.

Dez anos após quase chegar à elite nacional, Marília quer espantar crise

Em 2003, o Marília participava do quadrangular final que garantia o acesso à elite do futebol brasileiro. Ao lado de Palmeiras, Botafogo e Sport, a equipe do interior paulista chegou às últimas rodas com chances de subir, mas as duas vagas ficaram com o Verdão e o clube carioca. Dez anos depois, a equipe luta para voltar à série A2 do Campeonato Paulista. O grande vilão da história, como na maioria dos times do interior paulista, é o lado financeiro.

Em entrevista à GE.Net, Guilherme Alves, atual treinador do MAC, explicou a situação do clube. "O Marília passa por problemas financeiros lastimáveis. Nós tivemos que passar por uma reformulação total". Ídolo como jogador, com passagens por Corinthians e Atlético-MG, Guilherme planeja fazer um bom trabalho na Série A3 e não deixa de enaltecer a história do clube. "A única coisa que o Marília nunca vai perder é a camisa, que tem muita tradição".

Tradicional no interior, América revive clássico local

Acostumado com a elite do futebol paulista, a cidade de São José do Rio Preto vai receber o clássico local pela Série A3 do Estadual. Após más campanhas em 2012, Rio Preto e América foram rebaixadas juntas e agora lutam para manter a cidade como uma das mais tradicionais do interior.

Com o apelido de Diabo, o América sonha em voltar a ter o prestígio do passado, quando até mesmo Pelé sofreu com as "travessuras" do clube. Em 1960 e 1964, o Santos foi derrotado pela equipe de São José do Rio Preto com o Rei do Futebol em campo nas duas ocasiões.Vice-campeão em 90, Novorizontino se reconstrói

Com o apoio de uma cidade apaixonada por futebol, o Grêmio Novorizontino retornou às atividades em 2010, vinte anos depois de ser vice-campeão estadual. Depois de iniciar com as categorias de base, com o pensamento de organziar a estrutura do clube, a diretoria retomou com o futebol profissional em 2011 e já conquistou o acesso à Série A3 do Paulista.

O presidente do clube, Genílson Santos, sabe das dificuldades que o clube deve enfrentar pela frente, mas espera resgatar o nome do Tigre no futebol paulista. "Nós queremos resgatar o nome, a tradição e a força do clube. Mas o futebol neste período mudou muito. Então é preciso uma organização muito maior de todas as partes. Queremos crescer de maneira sólida, para ser uma equipe que veio para ficar", planejou o presidente.

Confira os jogos da rodada de abertura da Série A3:

Sábado
10 horas - Joseense x São Bento
16 horas - Taubaté x Guaçuano
19 horas - Sertãozinho x Inter de Limeira
19h30 - Itapirense x Palmeiras B
20h30 - Barretos x Rio Preto
Domingo
10 horas - Independente x América
10 horas - Flamengo x Batatais
10 horas - Votuporanguense x Marília
10 horas - São Vicente x Francana
10 horas - Grêmio Novorizontino x União São João

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
publicidade