PUBLICIDADE

Fanáticos, Derly e Gessinger vivem Gre-Nal

8 fev 2009 - 08h31
(atualizado às 10h48)
Publicidade

De um lado, o judoca colorado João Derly, 27 anos, duas vezes campeão mundial. Do outro, o gremista Humberto Gessinger, 45 anos, vocalista da banda Engenheiros do Hawaii. Fanáticos como a maioria dos gaúchos, eles transpiram o clássico de maneira intensa. Com exclusividade, falaram ao Terra sobre a relação particular que possuem com o Gre-Nal.

» Veja mais fotos do Grêmio
» Veja mais fotos do Inter
» Rivais iniciam festa do centenário do Gre-Nal
» Protagonistas falam do Gre-Nal
» Clássico tem duelos épicos
» vc repórter: mande seu relato ou sua foto de um Gre-Nal histórico
» Comente a rivalidade do Gre-Nal

"É um rodízio entre a vontade de ganhar e o medo de perder. Tudo no Gre-Nal é em dobro, pois entram em campo os extremos da paixão de cada um. O engraçado - e trágico - é que, quanto pior a fase do time, mais importante o Gre-Nal se torna. Acho que nada se compara no futebol", exalta Humberto Gessinger.

Para João Derly, as lutas do povo do Rio Grande do Sul, justificam a temática que possui um Gre-Nal.

"O Rio Grande do Sul tem histórias de paixões profundas, dificilmente alguém fica em cima do muro. As pessoas têm opiniões fortes, defendem seus pontos de vista. Por isso, há a rivalidade em todos os setores, inclusive na política. Só que elas têm que entender que futebol é espetáculo, não é violência. Esses episódios são lamentáveis", explica.

A tese de João Derly também é compartilhada por Gessinger, que insiste na divisão que parte o Rio Grande do Sul.

"A dualidade é um tom para nós gaúchos. O Gre-Nal carrega uma simetria incrível e para cada feito de um dos times, o adversário tem algo parecido para contrapor", afirma.

"Todo mundo por aqui é gremista ou colorado, só há dois clubes grandes. Por isso, todo mundo toma partido", completa Derly.

O judoca, aliás, se diz tenso pelo Gre-Nal de Erechim, neste domingo. "Todo mundo que gosta de futebol, fica ansioso, imaginando o que pode acontecer e provocando os rivais. No último clássico, goleamos o Grêmio por 4 a 1, demos show. Merecemos a goleada e podia ser mais, mas o time deu uma segurada para não humilhar muito (risos)", conta Derly, citando essa vitória como a mais viva em sua memória.

"Agora, nem precisa tanto: uma vitória já está de bom tamanho", admite o colorado.

Humberto Gessinger vai mais longe para citar seu Gre-Nal favorito. "Foi a reconquista do Gaúcho em 77, com o gol 'da cambalhota' do André Catimba, no Olímpico. Naquele dia, meu pai estava doente, e da janela do Hospital Ernesto Dorneles vi as bandeiras tricolores passarem depois do jogo. Foi um reconforto em uma hora difícil", recorda.

Perguntado sobre uma derrota sentida, o músico brinca: "Não me lembro. Nós já perdemos algum Gre-Nal? Acho que não".

Campeão mundial de judô, Derly é um torcedor símbolo do Inter
Campeão mundial de judô, Derly é um torcedor símbolo do Inter
Foto: Site do Inter / Divulgação
Fonte: Especial para Terra
Publicidade