PUBLICIDADE
Logo do

Ponte Preta

Meu time

"Mistão" do Palmeiras leva virada da Ponte e avança em 2º

17 abr 2011 17h56
| atualizado às 21h57
Publicidade

Com apenas quatro titulares no Estádio Moisés Lucarelli, o Palmeiras acabou derrotado por 2 a 1 pela Ponte Preta, de virada, neste domingo, e perdeu a primeira colocação do Campeonato Paulista na última rodada da primeira fase. A equipe alviverde terminou com 41 pontos e foi ultrapassada pelo São Paulo, que empatou com o Oeste por 1 a 1 e superou o time de Felipão no número de vitórias (13 a 12).

O adversário do Palmeiras nas quartas de final será o sétimo colocado Mirassol. Já a Ponte Preta, com o triunfo, chegou a 32 pontos e ficou com a quinta posição. Os comandados de Gilson Kleina enfrentam o Santos, que terminou em quarto.

A derrota alviverde significou também o fim de uma invencibilidade de 15 jogos na temporada. Se não tivesse perdido, o time do Palestra Itália teria superado a marca invicta da equipe campeã da Copa Libertadores de 1999, também dirigida por Luiz Felipe Scolari.

Na partida em Campinas, o Palmeiras saiu na frente aos 21min após um frango do goleiro Bruno, que aceitou um chute de longe de Max Santos e permitiu que a bola passasse por entre suas pernas. Porém, o time da casa buscou a virada com gols de Márcio Diogo e Renatinho.

O jogo

Desfalcado de vários titulares, o Palmeiras iniciou o confronto no Moisés Lucarelli com dificuldades no setor ofensivo. O time ficava com a bola nos pés durante a maioria do tempo e não criava. Até mesmo as cobranças de falta, sem a presença de Marcos Assunção, ficavam comprometidas.

A partida ganhou emoção com um lance incomum em que saiu o gol palmeirense. Aos 21min, Max Santos mandou um chute de longe, sem grande pretensão. O goleiro Bruno tentou encaixar, mas deixou a bola ultrapassar a linha por poucos centímetros pelo meio de suas pernas.

A reação da Ponte Preta foi rápida e eficiente. Aos 25min, os donos da casa alcançaram o empate com Márcio Diogo, que saiu da marcação de Leandro Amaro e fuzilou Deola de perna esquerda. Na comemoração, ele homenageou Bruno, que havia vacilado no gol do Palmeiras. As emoções da primeira etapa acabaram, contudo, por aí.

Para o segundo tempo, o Palmeiras lastimou mais um desfalque. Preocupado com os próximos compromissos tanto no Estadual como na Copa do Brasil, Felipão decidiu tirar Kleber de campo. O jogador já havia reclamado de uma pancada na coxa na etapa inicial. Vinícius ganhou uma chance.

A novidade palmeirense entrou disposta a mostrar serviço. Com boa movimentação, Vinícius dava trabalho pelos lados do campo. Mas a melhor chance do início do segundo tempo partiu da Ponte Preta. Aos 11min, Guilherme carimbou a trave esquerda de Deola.

Três minutos depois, a equipe campineira voltou a assustar em uma finalização de Lucas - Deola fez ótima defesa. Enquanto isso, Felipão seguia com a postura de poupar peças importantes: Cicinho cedeu seu lugar ao jovem Luís Felipe na lateral direita.

Ao mesmo tempo em que sofria um sufoco, o Palmeiras recebia a notícia do empate do São Paulo diante do Oeste. A liderança começava a ficar ameaçada. E o pior ocorreu: a Ponte virou aos 30min com uma bomba de Renatinho, sem chances para Deola. O gol custou a ponta.

FICHA TÉCNICA

Ponte Preta 2 x 1 Palmeiras

Gols
Ponte Preta: Márcio Diogo, aos 25min do 1º tempo, e Renatinho, aos 30min do 2º tempo
Palmeiras: Max Santos, aos 21min do 1º tempo

Ponte Preta
Bruno; Eduardo Arroz, Wellington, Ferron e Uendel; Guilherme, Josimar, Lucas (Renan) e Márcio Diogo (Charles); Renatinho (Mateus) e Tiago Luís. Técnico: Gilson Kleina

Palmeiras
Deola; Cicinho (Luís Felipe), Maurício Ramos, Leandro Amaro e Rivaldo; Tinga, Chico e João Vítor; Adriano, Kleber (Vinícius) e Max Santos (Luan). Técnico: Luiz Felipe Scolari

Cartões amarelos
Ponte Preta: Josimar, Eduardo Arroz, Renatinho e Tiago Luís
Palmeiras: Rivaldo, Chico e Luan

Árbitro
Sálvio Spinola Fagundes Filho

Local
Estádio Moisés Lucarelli, Campinas (SP)

Com informações de Gazeta Esportiva

Fonte: Terra
Publicidade