PUBLICIDADE
Logo do

Santos

Favoritar Time

Robert faz 3 e Palmeiras quebra encanto do Santos na Vila

14 mar 2010 18h55
| atualizado às 23h50
Publicidade

Coube ao Palmeiras quebrar o encanto do Santos na temporada. O time de Antonio Carlos encerrou uma invencibilidade de 12 jogos do rival ao vencer por 4 a 3, neste domingo, um clássico eletrizante na Vila Belmiro, marcado por comemorações provocativas, golaços e muita emoção.

O Santos abriu 2 a 0 com Pará e Neymar, mas o Palmeiras conseguiu a virada com Robert (duas vezes) e Diego Souza. Teve até dança do vira na comemoração. O troco veio com Madson, que imitou um porco ao empatar o jogo.

Mas quem riu por último foi o Palmeiras, que ganhou o jogo em um chute de longe de Robert, o artilheiro da tarde com três gols. Um duro golpe para os Meninos da Vila, aclamados como os melhores do Brasil no momento.

O Santos segue com 32 pontos na liderança do Campeonato Paulista. Já o Palmeiras chega a 22 pontos e ganha ânimo para lutar pela vaga nas semifinais.

Na próxima rodada do Campeonato Paulista, as duas equipes vão atuar em casa. No sábado, o Palmeiras enfrenta a Ponte Preta, às 17h (de Brasília), no Palestra Itália. No dia seguinte, o Santos mede forças com o Ituano, às 19h30 (de Brasília), na Vila Belmiro.

Em um primeiro tempo empolgante, o Santos abriu 2 a 0 e parecia que ia golear. Pará, aos 10min, abriu o placar em um gol que muito bem poderia ser assinado por Neymar ou Robinho. O lateral santista recebeu passe do camisa sete pela esquerda, driblou Eduardo e encobriu Marcos com um chute curvado de direita.

Se tentou o cruzamento ou planejou o chute perfeito não importa. Com 1 a 0 no placar, o Santos não diminuiu o ritmo e seguiu encurralando os palmeirenses. O time de Antonio Carlos abusava nas faltas para brecar a leveza santista, o que acarretou em quatro cartões amarelos só no primeiro tempo.

De nada adiantou a marcação dura. Depois de troca de passes que começou no campo de defesa, Paulo Henrique Ganso achou espaço no meio da zaga palmeirense e deixou Neymar livre para marcar. O atacante chutou mais o chão do que a bolas, mas mesmo assim encobriu Marcos e fez a festa na Vila Belmiro.

O Palmeiras já começava a se irritar com o que considerava ¿gracinhas¿ dos santistas e Diego Souza simbolizou o desespero do time visitante com o domínio santista ao deixar o cotovelo em lance com Pará e ainda discutir quando a bola parou. Mas no lance seguinte ao início de destempero do camisa sete, o clube da capital renasceu no jogo.

Aos 41min, Cleiton Xavier cobrou falta da direita e Robert ganhou a disputa do goleiro Felipe para diminuir. Dois minutos depois, o Palmeiras empatou em outro gol de Robert, desta vez depois de cruzamento de Armero, e os visitantes debocharam com uma comemoração visivelmente exaltada. Apesar do domínio santista, o clássico tinha 2 a 2 no placar do intervalo.

O principal mérito do Palmeiras no primeiro tempo foi não esquecer de atacar mesmo com a visível superioridade técnica dos jogadores do adversário. E em dez minutos de jogo na etapa final o clube da capital manteve a estratégia, chegando com perigo com Ewerthon e Márcio Araújo, apesar de Paulo Henrique assustar em chute de longe defendido de Marcos.

Com o jogo aberto, o gol parecia questão de tempo. Só bastava saber de quem seria. Dúvida respondida aos 11min. Cleiton Xavier cobrou falta na área, Danilo ajeitou para Léo que cabeceou. Felipe espalmou, a bola bate na trave e sobrou para Diego Souza marcar de peixinho. Os palmeirenses, literalmente, dançaram o vira na Vila Belmiro.

Ciente de que seu time perdeu a força ofensiva, Dorival Júnior mudou o esquema de jogo. Maranhão entrou na lateral direita e Wesley passou a atuar no meio-campo. Marquinhos foi sacado. Além disso, Zé Eduardo substituiu o apagado André na frente.

As alterações surtiram efeito, o Santos passou a pressionar e acordou sua torcida. Aos 34 minutos, veio o empate. Paulo Henrique foi o autor da assistência para a conclusão de Madson na saída de Marcos. Na comemoração, o santista imitou um porco.

Ainda deu tempo de Neymar ser expulso por falta em Pierre. Inspirado, Robert roubou bola no campo de ataque e mandou uma bomba para vencer Felipe e marcar o gol da vitória palmeirense em um jogo aberto e com várias alternativas.

FICHA TÉCNICA

Santos 3 x 4 Palmeiras

Gols

Santos
Pará, aos 10min, e Neymar, aos 30min do primeiro tempo; Madson, aos 34min do segundo tempo.

Palmeiras
Robert, aos 40 e 42min do primeiro tempo; Diego Souza, aos 11, Robert, aos 41min do segundo tempo.

Ponto Forte do Santos
Agressividade no primeiro tempo

Ponto Forte do Palmeiras
Buscar sempre o ataque mesmo com a superioridade técnica do rival

Ponto Fraco do Santos
Falta de tranquilidade nas conclusões

Ponto Fraco do Palmeiras
Excesso de faltas no primeiro tempo

Personagem do jogo
Robert, autor de três gols pelo Palmeiras

Esquema Tático do Santos
4-3-3
Felipe; Wesley (Madson), Edu Dracena, Durval e Pará; Arouca, Marquinhos ( Maranhão) e Paulo Henrique; Neymar, André (Zé Eduardo) e Robinho. Técnico: Dorival Júnior

Esquema Tático do Palmeiras
4-4-2
Marcos; Eduardo (Márcio Araújo), Léo, Danilo e Armero; Pierre, Edinho (Ivo), Cleiton Xavier e Diego Souza; Ewerthon (Lincoln) e Robert. Técnico: Antonio Carlos

Cartões Amarelos
Santos

Robinho

Palmeiras

Marcos, Diego Souza, Eduardo, Edinho e Léo

Cartões Vermelhos

Santos
Neymar

Palmeiras
Leo

Público
11.452 pagantes

Árbitro
Antonio Rogério Batista do Prado

Local
Estádio Vila Belmiro, em Santos (SP)

Com informações da agência Gazeta Press.


Fonte: Terra
Publicidade