Fale conosco

 Notícias por e-mail
Carioca
Sexta, 13 de janeiro de 2006, 01h55  Atualizada às 02h16
RJ: polícia eleva rigor em estádios e ameaça organizadas
 
 Últimas de Carioca
» RJ: polícia eleva rigor em estádios e ameaça organizadas
» CFZ vence e time de Zinho só empata no Rio
» Zinho marca em sua estréia pelo Nova Iguaçu
» Zinho estréia no Nova Iguaçu neste sábado
O chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, delegado Álvaro Lins, anunciou nesta quinta-feira uma série de medidas para coibir a violência nos estádios do Rio.

Leia mais reportagens do jornal O Dia

Agora, o torcedor que se envolver em briga, dentro ou fora do estádio, será preso e indiciado por crime de formação de quadrilha. A pena é de até três anos. Em caso de confronto seguido de morte, os responsáveis responderão também por crime de homicídio doloso, com pena de até 20 anos.

Álvaro Lins garantiu que, se as medidas não surtirem efeito, pode pedir a extinção das organizadas. "Caso nenhuma das medidas diminua o conflito, vou tomar medidas mais severas, como a extinção das torcidas organizadas. Vamos proibir bandeiras e camisas das torcidas", disse.

O delegado disse que os clubes serão orientados a suspender a doação de ingressos às facções, caso algum membro seja flagrado em atos violentos.

"Não podemos mais permitir que torcedores se matem. Foram três mortes no ano passado e não podemos tolerar isso", afirmou Alvaro Lins.

Participaram da reunião na 5ª DP, no centro da capital fluminense, 20 delegados, o comandante do Grupamento Estadual de Policiamento em Estádios, major Marcelo, e líderes de torcidas. A ausência ficou por conta de integrantes de organizadas do Vasco.

Policiamento diferenciado
Entre as medidas estão o cadastramento de todos os integrantes das facções na polícia, indiciamento contra crimes de Internet e a autuação por roubo qualificado, caso algum baderneiro leve a camisa de outro torcedor.

Nas partidas, serão adotadas outras normas de controle, como filmar individualmente os torcedores. "Será mais fácil a identificação dos baderneiros pelas vítimas", disse Álvaro Lins.

Segundo o major Marcelo, em jogos de menor porte, com menos de 20 mil pessoas, o policiamanto será de 150 a 300 homens. Os de médio porte, com até 50 mil pessoas, terão de 400 a 700 homens. Nos clássicos, o efetivo pode atingir 1,5 mil homens.
 

O Dia

© Copyright Editora O Dia S.A. - Para reprodução deste conteúdo, contate a Agência O Dia.