Copa dos Campeões
Quarta, 21 de maio de 2008, 18h35  Atualizada às 21h27
Nos pênaltis, Manchester é tri da Copa dos Campeões
 
AP
Cristiano Ronaldo comemora gol do Manchester
Cristiano Ronaldo comemora gol do Manchester
 Últimas de Copa dos Campeões
» Terry: "quase não durmo desde aquele pênalti"
» Comemorações atrasam chegada do Manchester
» Final da Copa dos Campeões termina sem incidentes
» Após vice, Drogba vira vilão do Chelsea
Busca
Busque outras notícias no Terra:

O Manchester United conquistou nesta quarta-feira a Copa dos Campeões da Europa pela terceira vez em sua história. A equipe levou a melhor sobre o Chelsea nos pênaltis por 6 a 5, após empate por 1 a 1 no tempo normal - resultado que permaneceu na prorrogação. O jogo foi disputado no Estádio Luzhniki, em Moscou.

» Veja mais de 100 fotos da
final da Copa dos Campeões

» ESPN: assista ao vídeo
» Título leva Manchester United de volta ao Japão
» Ronaldo leva 1º título europeu
» Comente a decisão

As principais emoções do encontro acabaram acontecendo na disputa por pênaltis, após empate por 1 a 1 no tempo normal e com o placar inalterado na prorrogação. O Manchester viu o título indo para o adversário depois de que Petr Cech defendeu a cobrança do astro português Cristiano Ronaldo.

No entanto, a equipe vermelha acabou voltando à disputa justamente na chance que o Chelsea teria para confirmar a conquista: em sua cobrança, o zagueiro John Terry escorregou bem na hora do chute e acabou mandando para fora. Na seqüência, o atacante Nicolas Anelka, que havia começado no banco, também perdeu sua cobrança, defendida por Van der Sar.

No tempo normal, o Manchester começou melhor em campo e abriu o placar aos 26min. Após boa jogada pela direita, Wes Brown cruzou da direita e Cristiano Ronaldo, na segunda trave, cabeceou sem dar chances ao goleiro Petr Cech.

Atrás do placar, o Chelsea saiu para o ataque e quase empatou aos 31min. Após cruzamento da esquerda, o atacante Didier Drogba ajeitou de cabeça e, na pequena área, Ballack obrigou o goleiro Van der Sar a fazer importante defesa.

A resposta do Manchester veio dois minutos depois. Em jogada rápida pela esquerda, a bola foi cruzada e Tevez, de cabeça, esbarrou em grande intervenção de Cech. Na sobra, Carrick chutou forte e obrigou o camisa 1 do Chelsea a mandar a bola para escanteio.

Já nos instantes finais da etapa inicial, o Chelsea conseguiu o empate. Aos 45min, o volante Michael Essien chutou de longe, a bola bateu nas costas do zagueiro Rio Ferdinand e sobrou para Frank Lampard. O camisa 8 ainda se beneficiou de falha de Van der Sar, que acabou escorregando, para tocar na saída do goleiro e igualar o marcador.

O segundo tempo começou equilibrado, com as duas equipes não se arriscando muito. Porém, quem começou assustando desta vez foi o Chelsea, aos 12min, com forte chute de fora da área do meia Michael Ballack. A bola acabou indo para fora.

Aos 32min, a equipe de Londres chegou perto de virar o placar, mas acabou ficando na trave. Drogba arriscou de fora da área e acertou o poste esquerdo do gol de Van der Sar, assustando o Manchester.

A igualdade no placar permaneceu ao término dos 90 minutos regulamentares, forçando o tempo extra. Logo no início da prorrogação, aos 3min, o Chelsea voltou a acertar a trave do Manchester: após boa troca de passes dentro da área do time vermelho, o meia Frank Lampard recebeu e acertou o travessão de Van der Sar, que ficou parado, no meio do gol.

Aos 10min, foi a vez de o Manchester quase marcar o segundo. O lateral Patrice Evra invadiu a área pela esquerda e tocou para trás. Sem goleiro, o meia-atacante Ryan Giggs chutou de primeira, mas o zagueiro John Terry acabou tirando de cabeça.

A igualdade no placar continuou no segundo tempo na prorrogação, mas o Chelsea ainda viu um de seus principais destaques, Drogba, receber cartão vermelho após confusão no gramado. O camisa 11 do time azul acabou dando um leve tapa no zagueiro Nemanja Vidic, do Manchester, na frente do árbitro eslovaco Lubos Michel.

Com a igualdade no placar mantida, a disputa foi para os pênaltis. Ambos os times converteram suas duas primeiros chutes, o Manchester com Tevez e Carrick e o Chelsea com Ballack e o brasileiro Belletti. No terceiro pênalti, o astro português Cristiano Ronaldo, destaque do United, tentou fazer a "paradinha" em sua cobrança e acabou parando em Cech.

Os dois times continuaram a converter seus pênaltis até a 10ª e última tentativa da série inicial das cobranças. Foi quando o zagueiro John Terry, capitão do Chelsea, teve a chance de dar o título inédito ao time londrino, mas acabou escorregando bem na hora do chute e mandando a bola para fora.

Nas cobranças alternadas, o brasileiro Anderson e Giggs marcaram para o Manchester, enquanto que apenas Kalou fez o seu para o Chelsea. Na sétima tentativa do time de Londres, Anelka teve seu pênalti defendido por Van der Sar, o que encerrou a disputa com o título do United.

Este é o terceiro título do Manchester United na Copa dos Campeões da Europa. Antes, a equipe já havia vencido nos anos de 1968 e de 1999. Na última conquista, aliás, o treinador do clube era o mesmo: o escocês Alex Ferguson, desde 1986 no time de Old Trafford. Na ocasião, assim como neste ano, o Manchester conquistou o torneio de forma invicta.

O triunfo sobre o Chelsea, aliás, coroa o ótimo ano do Manchester United, que também conquistou o bi do Campeonato Inglês, superando justamente o time londrino na reta final da competição.

O Chelsea, por sua vez, vê frustrado mais uma vez o sonho de conquistar a Europa, alimentado sobretudo desde a chegada do magnata russo Roman Abramovich a Stamford Bridge. Nos últimos quatro anos, a equipe havia sido eliminada nas semifinais da Copa dos Campeões em duas oportunidades, justamente para o Liverpool. Neste ano, o Chelsea conseguiu bater o pentacampeão continental nas semis, mas não conseguiu superar o United na decisão.

Com o título da Copa dos Campeões da Europa, o Manchester United será o representante europeu no próximo Mundial de Clubes da Fifa. A competição será disputada no fim do ano, no Japão, e já tem classificados o Pachuca, vencedor da Copa dos Campeões da Concacaf, e o Waitakere United, da Nova Zelândia, que levou o troféu da Copa dos Campeões da Oceania.
 

Redação Terra