0

'Frustrado', Hélio dos Anjos assume culpa e admite 'limitação' do Fotaleza

13 mai 2013
13h58

Após a quarta derrota consecutiva para o Ceará em 2013, o técnico do Fortaleza, Hélio dos Anjos, apontou o sistema defensivo do rival como principal responsável pelos resultados. Depois do revés por 3 a 1, no último domingo, pela semifinal do Campeonato Cearense, o comandante tricolor se disse frustrado e admitiu que a equipe chegou ao limite técnico, mas exaltou os jogadores da base.

De acordo com Hélio dos Anjos, a marcação compacta do Vovô complicou a vida do Leão nos Clássicos-Rei desta temporada. Nos quatro confrontos, o Tricolor marcou apenas um gol - o do último domingo, em pênalti convertido por Jaílson. O treinador lamentou a falta de poder de fogo do Fortaleza, admitiu partida apagada de Jaílson e Assisinho e destacou a postura defensiva do Alvinegro.

- Eu sempre tenho discutido com os jogadores: o sistema defensivo dos adversários qualificados, como é o caso do Ceará, decidiu e ganhou todos os jogos contra a gente. Eu sempre falei para eles que a imposição defensiva de adversário de qualidade deixa a gente sem muita ação ofensiva. Nesses dois jogos, tivemos um adversário com muita qualidade ofensiva, mas o sistema defensivo, na minha opinião, ganhou esses dois jogos porque neutralizou totalmente meu sistema ofensivo - disse o técnico, em entrevista coletiva.

Apesar da nova derrota e a eliminação do Campeonato Cearense, Hélio dos Anjos viu pontos positivos no clássico. O treinador elogiou o jovem volante Walfrido, que foi titular do time profissional do Fortaleza pela primeira vez, e o atacante Romarinho, que, após renovar contrato, voltou a atuar na equipe principal, fez boas jogadas e cavou a expulsão do volante João Marcos, do Ceará.

- É muito pouco para a grandeza do Fortaleza eu falar que teve coisa boa. Eu só quero que as pessoas entendam: eu não sou louco de colocar um jogador de 17 anos para jogar um clássico sem saber aquilo que ele pode apresentar. Então, de bom, o Walfrido. É por isso que eu não quero mais a contratação de um segundo volante, que, inclusive, me foi oferecido nessa semana. Era um jogador que eu queria quando aqui cheguei, mas não quero por causa disso. O Mazinho, que é do (Eduardo) Uram, me foi oferecido junto com aquele grupo. Não quero por causa de um garoto desse, e o (Jackson) Caucaia também já assumiu bem essa função. É bom também você ver um menino como o Romarinho aproveitar dez minutos de jogo e fazer coisas que nós não tínhamos conseguido em 90 minutos. O Romarinho tinha se machucado e depois teve o "embrulho" da renovação do contrato, então eu tinha visto muito pouco. Mas se a gente for ver o que aconteceu de positivo, é sinal de que nós vamos ter jogadores de muita qualidade da base jogando. E não posso deixar de citar o Jefferson, que teve personalidade e jogou dentro de suas condições - completou.

Hélio dos Anjos não escondeu o incômodo diante do retrospecto ruim nas partidas contra o Ceará este ano, sobretudo nas semifinais, em que o Tricolor sofreu seis gols e marcou apenas um. O comandante do Leão assume que a equipe não tem potencial técnico para evoluir e projeta uma reformulação para a Série C.

- Tem coisas positivas? Tem. Só que é muito pouco para o Fortaleza. É muito ruim, muito duro. Eu não estou falando nem desses dois jogos, mas é muito duro você ir para uma decisão, tomar seis gols e só fazer um contra o seu principal adversário. Eu não questionei mais eles (jogadores), porque eu já tenho minha ideia de qual é o nosso problema. Particularmente, eu acho que nós fomos no limite hoje (domingo). Nesses dois jogos, nós fomos no limite. Então, o que eu tenho que procurar fazer? Revitalizar o nível técnico, físico e psicológico da equipe para dar sequência - afirmou.

Em meio ao discurso otimista de sua apresentação, em que afirmou que é "obrigação" tirar o Fortaleza da Terceira Divisão, Hélio dos Anjos chegou a prometer vaga na final do Campeonato Cearense. Após a meta frustrada, o treinador não escondeu a decepção, mas assegura que conduziu o trabalho da melhor maneira possível antes da semifinal.

- Eu tenho que resolver o problema de limitação. E esse problema de limitação passa por mim porque eu sou o responsável pela equipe. O principal responsável por tudo sou eu. Eu estou frustrado porque prometi à torcida chegar à última data do campeonato. Não cheguei, estou frustrado, mas estou de pé. Não estou me sentindo pior do que ninguém. Estou mal, chateado, mas não me sinto pior do que ninguém porque acredito que o trabalho que tinha que ser feito para esses dois jogos foi feito - finalizou.

Fonte: Lancepress! Lancepress!
publicidade