0

Governo do Togo declara 3 dias de luto por ataque em Angola

10 jan 2010
06h48
atualizado às 15h35

O Governo do Togo decretou três dias de luto nacional, a partir desta segunda, em lembrança aos mortos no ataque ao ônibus que transportava a seleção de futebol do país pela guerrilha separatista angolana Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (Flec), e a equipe disputará a Copa Africana de Nações.

» Veja imagens do atentado
» Veja o mapa da região
do atentado em Angola

» "Em memória das vítimas", Togo recua e vai à Copa Africana
» Togo diz que falta de garantias motivou saída da Copa Africana
» Togo é pressionado a continuar na Copa Africana
» Veja a tabela da Copa Africana
» Opine: quais serão os clubes mais prejudicados com a Copa Africana?

Apesar de ter anunciado a desistência de participar da competição, os jogadores voltaram atrás e confirmaram presença na chave B, em Cabinda, ao lado de Gana, Burkina Faso e a Costa do Marfim - adversária do Brasil na Copa do Mundo, na África do Sul.

O grupo afirma que disputará a competição em Angola como "homenagem" às vítimas do tiroteio. O anúncio dos dias de luto foi feito pelo premiê togolês, Gilbert Houngbo, que visitou os familiares das duas vítimas fatais que faziam parte da delegação: o assistente-técnico Abalo Amelete e o assessor de imprensa Stan Ocloo.

O ônibus que transportava a seleção de futebol do Togo para Angola foi metralhado por cerca de 30 minutos na sexta-feira. Além das três mortes - a outra vítima fatal foi o motorista do ônibus -, mais seis pessoas estão feridas.

O incidente aconteceu quando o ônibus ia da República Democrática do Congo para território angolano. Cabinda é uma região rica em petróleo e que enfrenta problemas com rebeldes separatistas.

O goleiro reserva Kodjovi Obilalé está em um hospital de Johanesburgo, internado com uma lesão neurológica grave. A competição começa neste domingo em Luanda com o confronto entre Angola e Mali, pelo grupo A. A estreia de Togo está marcada para o dia seguinte, contra Gana.


Adebayor foi um dos mais abalados com o atentado contra togoleses
Adebayor foi um dos mais abalados com o atentado contra togoleses
Foto: Reuters
EFE   
publicidade