7 eventos ao vivo

Guardiola bate recorde de Heynckes no Bayern

25 mar 2014
20h44
atualizado às 23h14

Josep Guardiola chegou ao Bayern de Munique com a difícil missão de manter o nível após a brilhante temporada anterior da equipe e, em sua primeira Bundesliga, conseguiu fazer do clube o campeão nacional com sete rodadas de antecedência, um novo recorde.

No ano passado, Jupp Heynckes havia conseguido erguer o troféu do Campeonato Alemão com seis rodadas de antecedência.

Guardiola é o Rei Midas do futebol, convertendo em ouro tudo que toca, e aspira agora conquistar uma nova tríplice coroa como a de 2012-2013, já que está classificado para as semifinais da Copa da Alemanha e para as quartas de final da Liga dos Campeões.

Por enquanto, Guardiola conquistou três títulos em Munique. Além da Bundesliga, a equipe levantou o troféu da Supercopa da Europa, em agosto, e o Mundial de Clubes, em dezembro.

O Bayern de Heynckes garantiu matematicamente o título no dia 6 de abril e, nesta temporada, a equipe conseguiu o feito ainda em março, o que a principio dá mais tranquilidade para os bávaros concentrarem-se na 'Champions', competição na qual enfrentarão o Manchester United, um gigante do futebol que vive um ano complicado e que não poderá contar com o holandês Robin Van Persie, machucado.

A equipe está invicta na Bundesliga há 52 partidas, desde a temporada passada, o que significa que Guardiola não sabe ainda o que é perder no Campeonato Alemão.

O ex-técnico do Barcelona tem motivos de sobra para estar satisfeito.

Recentemente, o espanhol declarou que a Bundesliga é "como comer pizza ou hambúrguer todos os dias, enquanto a Liga dos Campeões é uma boa comida num bom restaurante". Estas palavras foram interpretadas por alguns como menosprezo à Liga alemã, mas as críticas foram pontuais.

Na Alemanha, porém, o treinador está muito mais acostumando a receber elogios, que começaram logo na primeira coletiva de imprensa no mês de junho, quando mostrou ter se empenhado no estudo do alemão, falando para os torcedores na própria língua do país.

Guardiola pediu ao clube a contratação do hispano-brasileiro Thiago Alcântara, seu jogador no Barça, e introduziu um sistema de jogo 4-1-4-1, abandonando o 4-2-3-1 do Bayern de Heynckes.

O técnico também mostrou ser um grande maestro de orquestra, controlando um vestiários repletos de grandes egos, com jogadores como Franck Ribéry, Arjen Robben, Mario Gotze, Thomas Muller, Toni Kroos e o próprio Thiago.

Por ironia do destino, as lesões ajudaram Guardiola a encontrar seu onze titular, já que só pôde contar com todos os jogadores em poucas ocasiões.

O único ponto negativo na temporada foi a derrota em julho para o Borussia Dortmund (3-1), pela Supercopa da Alemanha, um revés que impossibilita a conquista de todos os títulos de uma vez, apesar da pouca relevância desta competição evitar qualquer dramatismo.

As pequenas dúvidas geradas por esta derrota foram apagadas quando o Bayern derrotou o Chelsea do rival José Mourinho em Praga, na decisão da Supercopa europeia.

Na Liga dos Campeões, o caminho é brilhante, com exceção da derrota por 3-2 em casa para o Manchester City na fase de grupos. Na época, porém, a equipe já tinha garantida a classificação para as oitavas de final e terminou na primeira colocação da chave.

No torneio europeu, o clube já havia batido o recorde de vitórias seguidas, com dez triunfos nas edições 2012-13 e 2013-14.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
publicidade