0

Trezeguet finge ser Del Piero e responde por falsidade ideológica

14 mai 2010
09h01

David Trezeguet teve de ir a um tribunal em Turim nesta quinta-feira por um motivo bastante curioso. Conforme relata o jornal La Repubblica, o atacante respondeu por falsidade ideológica após ter tentado enganar policiais dizendo-lhes primeiro que se chamava Vincenzo Iaquinta e depois Alessandro Del Piero - dois companheiros do francês na Juventus.

O episódio curioso aconteceu, segundo o diário, na noite entre 8 e 9 de fevereiro de 2009, mas só veio à tona agora, com o julgamento.

Naquela madrugada, Trezeguet era passageiro de uma BMW dirigida por um amigo argentino, Christian Luis Amodeo, 32 anos. De acordo com os policiais, o motorista, que pelo hálito provavelmente havia consumido vinho, comportou-se muito mal, alçando o tom de voz, utilizando uma "linguagem não uniforme" e apresentando uma "desarmonia nos movimentos".

Aparentemente bêbado, Amodeo se recusou a fazer o teste do bafômetro e com isso teve o carro e a carteira de motorista apreendidos. Sem documentos, Trezeguet tentou intervir e, quando os policiais lhe perguntaram seu nome, ele respondeu: Vincenzo Iaquinta e depois Alessandro Del Piero, outros dois atacantes da Juventus.

Ao final, o francês disse seu verdadeiro nome, porém mentiu outras duas vezes, afirmando ter nascido em Buenos Aires em 15 de novembro de 1976. Como os agentes descobriram que o jogador na verdade nasceu em Rouen em 15 de outubro de 1977, a denúncia por falsidade ideológica foi inevitável.

Amodeo, que aos policias se apresentou como secretário de Trezeguet, não se apresentou no tribunal nesta quinta para se defender. Mentiras à parte, é verdade que o atleta, filho de argentinos, tem uma grande relação com Buenos Aires, onde viveu por toda a infância e a adolescência antes de voltar a seu país natal.

Trezeguet (centro) disse a policiais que se chamava Iaquinta (esq) e depois Del Piero (dir)
Trezeguet (centro) disse a policiais que se chamava Iaquinta (esq) e depois Del Piero (dir)
Foto: AFP
Fonte: Redação Terra
publicidade