publicidade
16 de junho de 2012 • 15h43 • atualizado às 17h16

"Galvão Bueno francês" morre de derrame cerebral aos 74 anos

Thierry Roland narrou 13 Copas e 9 Eurocopas durante sua carreira
Foto: AFP
 

O jornalista esportivo francês Thierry Roland, conhecido por ter narrado partidas de futebol durante mais de 50 anos e que cobriu 13 Copas do Mundo e nove Eurocopas, morreu aos 74 anos de idade após ter sofrido um derrame cerebral na madrugada deste sábado, informou o canal M6.

» Apostas, manipulações e subornos: relembre escândalos da Itália
» Vote na maior conquista amorosa de um jogador de futebol da Europa

Voz mais conhecida do jornalismo esportivo da França, com uma aura que pode ser comparada a do global Galvão Bueno no Brasil, Roland também era famoso por deslizes polêmicos.

Em 1976, ele chegou a chamar de "safado" um árbitro escocês que marcou um pênalti contra a seleção francesa nos minutos finais de uma partida com a Bulgária.

Em 1986, foi acusado de racismo ao questionar a escalação de um árbitro tunisiano para a partida entre Argentina e Inglaterra nas quartas final da Copa do Mundo, no México, na qual Maradona usou a polêmica "mão de Deus" para fazer um gol na vitória por 2 a 1 dos argentinos.

Já na final da Copa do Mundo de 1998, na qual a França derrotou o Brasil por 3 a 0, disse ao vivo que, "depois disso, podemos morrer tranquilos". Ele acabou morrendo 13 anos depois, sem poder narrar a última grande competição, a Eurocopa 2012, que desistiu de cobrir em razão dos atuais problemas de saúde.

"Era um apaixonado por esporte, e sua morte nos entristece muito", comentou o atual treinador da seleção francesa, Laurent Blanc. O ex-craque Michel Platini, presidente da União Europeia de Futebol (Uefa), disse que Roland tinha sido ligado a grandes episódios da carreira e chamou-o de "amigo".

AFP AFP - Todos os direitos reservados. Está proibido todo tipo de reprodução sem autorização.