PUBLICIDADE

Time grego é salvo por bordéis e pode ganhar até prêmios "especiais"

18 out 2012 15h19
| atualizado às 16h40
Publicidade

O clube amador Voukefalas, que disputa a liga local de Larissa, cidade grega com 200 mil habitantes a cerca de 300 quilômetros da capital Atenas, foi salvo da falência pela dona de dois bordéis locais. A prostituição obedece uma regulação rígida na Grécia, mas é legalizada. O país vive uma grave crise econômica que prejudicou também os clubes de futebol, que estão com problemas para encontrar patrocínios.

» Exclusivo: Mourinho explica tristeza de C. Ronaldo e vê Real como maior desafio
» Vote e eleja a mais bela mulher de jogadores do Alemão
» Com Ronaldinho, americanos listam 100 atletas mais feios da história

Soula Alevridou, dona dos estabelecimentos, já pagou mais de R$ 2,6 mil ao clube que leva o nome do cavalo do lendário guerreiro Alexandre, o Grande. Por essa quantia, os jogadores utilizam nos treinos uma camisa rosa com as marcas dos dois bordéis da proprietária: Villa Erotica e Soula's House of History. A propaganda foi vetada pela organização da liga durante os jogos porque viola "os ideais esportivos" e é imprópria para os torcedores menores de idade.

O time apelou da proibição, mas isso não preocupa Alevridou, 67 anos. A empresária afirmou que ajuda o Voukefalas porque ama futebol. "Não é o tipo de negócio que precisa de promoção", diz, vestida em roupa branca e chapéu da mesma cor em meio a duas mulheres mais novas. "O negócio funciona mais no boca a boca", explica.

O elenco é formado por jogadores amadores, como entregadores de pizza, estudantes e garçons. Para incentivar os atletas, que muitas vezes trabalham durante à noite e chegam cansados aos jogos, Alevridou prometeu um tempo promocional "especial" em seus estabelecimentos caso vencessem o último jogo. Perderam por 1 a 0 e chegaram a quatro derrotas seguidas.

"Há muita coisa a se fazer. Não temos meio-campo", analisa. "Muitos de nossos garotos trabalham à noite e, se há jogos na manhã seguinte, não podem desempenhar muito bem no gramado. Precisam de mais ajuda".

A Grécia está próxima da falência. O país esforça-se para atender às demandas dos credores e se manter na zona do euro. Já são seis anos de recessão e cortes drásticos nos custos. Além das equipes esportivas praticamente não conseguirem encontrar patrocínios, crianças perderam o serviço de ônibus escolar e os aposentados precisam pagar suas próprias despesas médicas, por exemplo.

A Federação Grega de Esportes Amadores chegou a suspender atividades no começo do ano para protestar contra a escassez de recursos. Outros clubes amadores estão buscando financiamento em casas funerárias, lojas de Kebab, fábricas de geleia e produtores de queijo.

"Infelizmente o futebol amador foi abandonado por quase todos", diz o presidente do Voukefalas, Yiannis Batziolas, que dirige uma agência de viagens e ajuda em campo como goleiro reserva. "É questão de sobrevivência. Os jogadores não acreditaram no começo, mas quando viram as camisas, acharam engraçado".

Alevridou conseguiu evitar os efeitos da crise financeira e emprega 14 mulheres em seus bordéis. "Se não ajudarmos nossos cientistas e atletas, onde vamos parar? A Grécia tem pessoas bem educadas, cultas e bons atletas. É melhor ajudá-los que levar nosso dinheiro para a Suíça", justifica.

A crise econômica preocupa outros times de Larissa, como Olympus, Hercules, Fearless e Sagittarius. O Larissa FC é o único clube de cidade pequena a conseguir vencer a Liga Grega, em 1988, e conquistou também a Copa da Grécia, em 2007. A região é apaixonada por esportes.

O Voukefalas precisa de 10 mil euros, cerca de R$ 26 mil, para cobrir as despesas de um ano, e Alevridou prometeu não fechar os cofres. "É aqui que tudo começa, no esporte amador. É onde o talento é criado. Eu sou uma mulher grega e amo meu país", afirma, segurando um cigarro e usando roupa com estampa de leopardo. "O time vai melhorar, tenho certeza disso".

Campeonatos europeus ao vivo
O Terra exibe ao vivo via internet para o Brasil todas as partidas da Liga Europa nas temporadas de 2012/2013, 2013/2014 e 2014/2015, sendo o único meio de comunicação do País a transmitir ao vivo os 205 jogos da competição. As transmissões são disponibilizadas em alta definição (HD) e padrão standard, inclusive para tablets e smartphones.

Além da Liga Europa, os internautas podem acompanhar ao vivo jogos de competições importantes do Velho Continente, como os Campeonatos Alemão, Russo, Português e Grego.

A dona do bordel, Soula Alevridou, é apaixonada por futebol e financia o futebol amador de Larissa
A dona do bordel, Soula Alevridou, é apaixonada por futebol e financia o futebol amador de Larissa
Foto: AP
Fonte: AP AP - The Associated Press. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser copiado, transmitido, reformado o redistribuido.
Publicidade