PUBLICIDADE

Liberado pelo Santos, Paulo Henrique diz que Mundial é um sonho

18 set 2009 - 17h54
(atualizado às 18h11)
Publicidade

Dassler Marques


Aos 19 anos, Paulo Henrique já começa a assumir grandes responsabilidades. Principal nome da Seleção Brasileira que disputa o Mundial Sub-20 no Egito, ele carrega o peso de comandar o Brasil ao quinto título na história da competição, em que a supremacia ainda é dos argentinos, seis vezes campeões.

Para o jogador, que concedeu essa entrevista exclusiva ao Terra, disputar a competição no Egito é coroar uma volta por cima que começou em janeiro. Até então, Paulo Henrique era a última esperança de uma promissora geração de jogadores da base santista, mas que já anunciava um fiasco. Encostado nos juniores, foi acionado por Vágner Mancini e virou destaque do Santos ao longo de toda a temporada, em que já tem nove gols marcados.

No primeiro jogo-treino para o Mundial Sub-20, o Brasil venceu o Madureira por 3 a 0, todos gols marcados por Paulo Henrique. Segundo ele, vestir a camisa da Seleção era um sonho da infância em Ananindeua, no Pará. Agora, virou realidade.

Confira a entrevista de Paulo Henrique na íntegra:

Terra - É sempre difícil optar por deixar o clube, ainda mais no seu caso, que vivia um grande momento no Santos. Por que o desejo de jogar o Mundial Sub-20?
Paulo Henrique - É um sonho estar seleção, mesmo sendo Sub-20. Eu tinha a vontade de disputar o primeiro Mundial da minha vida também. Valeu a pena deixar um pouco o Santos, porque vou realizar um sonho da minha vida.

Terra - Essas convocações têm causado polêmica, como foi com o Neymar no início do ano para o Sul-Americano Sub-17. O Santos tentou te liberar? Chegou a perguntar se você queria jogar o Mundial?
PH - Em outras duas convocações de preparação, o Santos não me liberou. Eu falei do desejo de ir para a Seleção, mas o clube falou que eu só iria se fosse para o Mundial. Quando saiu essa convocação, fui liberado na hora.

Terra - Há vários bons jogadores, do Brasil e do exterior, que poderiam estar no Mundial, como o Pato e o Breno. Eles fazem muita falta?
PH - Qualquer jogador brasileiro faz falta, mas o grupo que está por aqui é de muita qualidade e muito forte. Nós vamos brigar pelo título.

Terra - Na preparação do Mundial, você tem jogado no mesmo desenho tático do Santos no Paulista, com dois meias abertos do seu lado. Facilita pra você esse tipo de sistema?
PH - Sim, bastante. Até porque eu já estava adaptado também e joguei muito nessa função pelo Santos.

Terra - Como tem sido o entrosamento com o Alex Teixeira e o Giuliano, que compõem a linha de três meias com você?
PH - Vem sendo muito bom o entrosamento. Aliás, os dois vêm se destacando também nos treinamentos. O Giuliano joga mais pela direita e o Alex pela esquerda, mas nós trocamos muito de posição.

Terra - Muita gente vê você como o principal jogador do time. Como você lida com isso?
PH - Tenho administrado muito bem. Se não tivermos um grupo de qualidade, não vai adiantar eu carregar o time sozinho.

Terra - Vocês enfrentarão Costa Rica, Austrália e República Checa. Já comentaram algo sobre os três países?
PH - A comissão já passou algumas coisas, sim. Assistimos ao vídeo da Eurocopa da seleção checa. É um time com aquela formação de duas linhas de quatro, de muita marcação e jogadores muito altos. Vamos brigar bastante com eles.

Terra - Você acha que, se destacando no torneio, fica mais perto da Seleção principal?
PH - Acho que sim. Facilita muito e o meu desejo é poder ir bem nesse torneio para que possa ser chamado para a Seleção principal.

Terra - No fim do ano passado, você estava estourando a idade limite dos juniores e sem muitas perspectivas, jogando o Campeonato Paulista Sub-20. Você achava que poderia conquistar tanto espaço nesse ano?
PH - Dava para imaginar. Em momento algum, abaixei a cabeça e me entreguei. Sempre trabalhei duro para acontecer essa reviravolta.

Terra - Você é o único jogador de uma geração promissora do Santos que vingou. Já Alemão, Tiago Luís, Carleto e Anderson Salles, por exemplo, não deram certo. O que houve de diferente com você?
PH - O presidente sempre acreditou em mim e eu sabia que poderia ter muito sucesso. Os outros jogadores se precipitaram. Quando viram que as coisas não davam certo, saíram do clube. Continuei trabalhando bastante e atrás dessa volta por cima.

Paulo Henrique tem se destacado nos treinamentos da Seleção Brasileira Sub-20
Paulo Henrique tem se destacado nos treinamentos da Seleção Brasileira Sub-20
Foto: Vipcomm / Divulgação
Fonte: Redação Terra
Publicidade