PUBLICIDADE

Para Ramires, Cruzeiro agora sabe o que é a Libertadores

19 fev 2009 - 10h34
(atualizado às 10h40)
Publicidade

Dassler Marques


Maior desfalque do Cruzeiro na estréia da Libertadores, nesta quinta-feira, no Mineirão, contra o Estudiantes, o volante Ramires, suspenso, é retrato de como o elenco celeste amadureceu em relação ao ano passado. De jovens acelerados em 2008, a equipe atual já tem um equilíbrio maior. E em Copa Libertadores, experiência é fundamental, diz o próprio Ramires.

Ramires não joga na estréia, mas é referência no Cruzeiro
Ramires não joga na estréia, mas é referência no Cruzeiro
Foto: Washington Alves/VIPCOMM / Divulgação

"A outra Libertadores era a primeira de muitos jogadores do Cruzeiro, que tinha uma equipe muito nova. Faltou experiência, mas agora já sabemos o que é a competição em si. Com os reforços experientes que também chegaram, estamos agora bem mais preparados. Pensamos em vencer o torneio", garante Ramires, em entrevista exclusiva ao Terra . Em 2009, o volante tem quatro gols em quatro jogos, e o Cruzeiro ainda ostenta 100% de aproveitamento nas cinco partidas do Campeonato Mineiro.

Ramires, que não atua por ter sido expulso contra o Boca Juniors em 2008, no jogo que eliminou o Cruzeiro, deve ser o único desfalque do técnico Adílson Batista para a estréia na Libertadores contra o Estudiantes, às 19h15 (horário de Brasília). Nos últimos treinamentos, ele definiu o meio-de-campo com Henrique, Fabrício e Marquinhos Paraná, com Wagner mais adiantado na armação. O lateral-esquerdo Fernandinho, com dores musculares, é a única dúvida. Se não jogar, Gérson Magrão deve ser deslocado para seu lugar.

Além do Estudiantes, equipe possivelmente mais forte do Grupo 5, o Cruzeiro tem Deportivo de Quito e Universitario de Sucre como rivais, o que indica dois jogos na altitude - em ambas as cidades, na casa de 2.800 metros. Se na última edição os cruzeirenses foram goleados pelo Real Potosí, por 5 a 1, agora Ramires não prevê os mesmos problemas.

"Faltava experiência para nós, só sabíamos o que era por outras pessoas falarem. Quisemos jogar de igual para igual e só atacar, mas agora vamos ser mais inteligentes e esperar mais um pouco na defesa", destaca. Ramires, ainda assim, vê o Estudiantes como o mais forte da chave cruzeirense. "As outras duas equipes estão um pouco abaixo", diz.

No elenco de 2009, as principais mudanças do Cruzeiro estão no ataque e no miolo de defesa, que recebeu Anderson, ex-São Paulo, Gustavo, ex-Palmeiras, e Leonardo Silva, ex-Vitória. O setor ofensivo ganhou Kléber, ex-Palmeiras, Wellington Paulista, ex-Botafogo, Soares, ex-Grêmio, e Alessandro, ex-Ipatinga e que estava no Japão. Os reforços da frente têm a missão de substituir Guilherme, autor de 24 gols em 2008, negociado com o Dínamo de Kiev, da Ucrânia.

"Para mim, o Guilherme é craque, dispensa comentários. Ele vai deixar saudades, mas o trabalho continua. O Kléber, que chegou, é um excelente jogador, que tem raça e vai suprir essa ausência. Ainda temos outros muito bons jogadores para a frente", destaca Ramires, que também espera pelo retorno de Sórin. "Torcemos muito pela recuperação dele, o mais rápido possível".

Fonte: Especial para Terra
Publicidade