Libertadores 2008

› Esportes › Futebol › Libertadores 2008

Libertadores 2008

Quinta, 3 de julho de 2008, 00h57 Atualizada às 02h59

LDU supera Flu nos pênaltis e leva Libertadores

O Fluminense contou com grande atuação de Thiago Neves, nesta quarta-feira, e venceu a LDU por 3 a 1, no Maracanã, mas o título da Copa Libertadores escapou do time tricolor. Os equatorianos foram mais eficientes na disputa por pênaltis (3 a 1) e levantaram o troféu da competição sul-americana.

» Veja fotos da festa da LDU
» Veja fotos de Flu x LDU
» Vice, Flu amarga jejum internacional
» Comente o vice do Fluminense

O torneio foi decidido nos tiros da marca penal porque o jogo de ida, em Quito, havia terminado em vitória por 4 a 2 dos donos da casa. No Rio de Janeiro, o triunfo tricolor forçou a prorrogação, na qual o empate no placar agregado foi mantido. Nos pênaltis, o goleiro Cevallos defendeu três cobranças e se consagrou.

O primeiro jogo decisivo de Libertadores disputado no Estádio do Maracanã começou mal para o Fluminense, que viu Bolaños abrir o placar logo aos 5min. Ainda no primeiro tempo, no entanto, Thiago Neves balançou a rede duas vezes e manteve os anfitriões vivos na luta pelo título.

Com Dodô no lugar de Ygor, os comandados de Renato Gaúcho partiram definitivamente ao ataque após o intervalo. Thiago Neves, de falta, igualou o placar agregado da decisão, aos 11min. As duas equipes tiveram oportunidades, mas o 3 a 1 foi mantido, sendo necessária a disputa da prorrogação.

Prejudicado pela arbitragem - que deixou de dar dois pênaltis na etapa inicial - no tempo normal, o Flu teve ajuda na prorrogação do bandeira, que apontou impedimento em gol legal marcado por Bieler. No entanto, Conca, Thiago Neves e Washington desperdiçaram suas cobranças na disputa por pênaltis, e o título ficou com a LDU.

O Maracanã rapidamente ficou vazio, e a festa foi dos jogadores equatorianos, que disputarão o Mundial de Clubes no final da temporada, no Japão. A conquista foi a primeira de um time do Equador na história da Copa Libertadores da América.

O jogo

A manutenção da escalação da primeira partida não tirou o poder ofensivo do Fluminense, que buscou o ataque desde o princípio, mas o setor defensivo vacilou e foi castigado. Aos 5min, Manso puxou contra-ataque e lançou Guerrón, que passou por Ygor e cruzou rasteiro. O chute de Bolaños desviou em Gabriel e balançou a rede.

Na seqüência, uma chance para cada lado. Pelo Flu, Washington ganhou disputa na grande área e bateu para fora. Pela LDU, Bolaños avançou em velocidade pela esquerda, invadiu a área e cruzou. Manso não conseguiu ajeitar o corpo para a conclusão e bateu por cima.

Thiago Neves, então, começou a reação tricolor. Aos 11min, o meio-campista dominou na intermediária, livrou-se da marcação e acertou o canto esquerdo baixo de Cevallos. O gol deu mais tranqüilidade aos anfitriões na busca por espaços na zaga do time equatoriano.

Aos 27min, o espaço apareceu. A LDU cometeu erro infantil e permitiu que Cícero recebesse com liberdade na linha de fundo, após cobrança de lateral. O camisa 17 bateu rasteiro para a área e encontrou Thiago Neves livre para balançar novamente a rede do goleiro Cevallos.

Ainda no primeiro tempo, o Fluminense teve dois bons momentos, mas foi prejudicado pelo árbitro argentino Héctor Baldassi. Aos 30min, Washington invadiu a área e foi derrubado por Ambrossi: pênalti claro ignorado. Aos 42min, Cícero driblou o goleiro Cevallos e foi derrubado, mas impedimento inexistente havia sido assinalado.

No intervalo, Renato Gaúcho colocou o atacante Dodô no lugar do volante Ygor e recuou Cícero para o meio-campo. Dodô teve oportunidade nos primeiros minutos e viu seu arremate ser desviado antes de acertar a trave. Aos 11min, Thiago Neves sofreu falta próxima à área, bateu por cima da barreira e marcou pela terceira vez no jogo.

O empate por 5 a 5 no placar agregado tornou o jogo mais morno. As duas equipes passaram a adotar uma cautela maior e tiveram menos oportunidades. Bieler chegou a acertar a trave em arremate prensado, e Conca assustou em chute de fora da área, mas a decisão foi mesmo para a prorrogação.

De morno, o jogo passou a gelado no tempo extra. Gabriel e Arouca deram lugar a Maurício e Roger no Fluminense, que pouco criou até o apito final. Embora cautelosa, a LDU chegou a balançar a rede em cabeçada de Bieler, já nos instantes finais, mas impedimento inexistente foi assinalado. No último minuto, Luiz Alberto teve de parar Guerrón com falta e recebeu o cartão vermelho.

A Copa Libertadores, então, foi decidida na disputa por pênaltis. A LDU começou batendo e desperdiçou apenas sua segunda cobrança, realizada por Campos e defendida por Fernando Henrique. No entanto, Conca, Thiago Neves e Washington viram Cevallos rebater seus arremates. Cícero converteu para o Flu, mas não foi suficiente.

Ficha Técnica

Fluminense 3 (1) x 1 (3) LDU

Equipes

Fernando Henrique
Gabriel
(Maurício)
Thiago Silva
Luiz Alberto
Júnior César
Ygor
(Dodô)
Arouca
(Roger)
Darío Conca
Thiago Neves
Cícero
Washington
Cevallos
Calle
Campos
Norberto Araujo
Ambrossi
Urrutia
Vera
Guerrón
Manso
(William Araujo)
Bolaños
(Salas)
Bieler

Técnico:
Renato Gaúcho

Técnico:
Edgardo Bauza

Gols

1ºT 11min - Thiago Neves
27min - Thiago Neves
5min - Bolaños
2ºT 11min - Thiago Neves  

Cartões amarelos

Luiz Alberto
Cícero
Thiago Silva
Bieler
Vera
Cevallos

Cartões vermelhos

Luiz Alberto ---------------

Local

Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Héctor Baldassi (ARG)
Público e renda: 78.918 pagantes R$ 3.910.044,00

Redação Terra

AP
Bolaños abriu o placar, mas a LDU precisou da disputa por pênaltis para chegar ao título
Bolaños abriu o placar, mas a LDU precisou da disputa por pênaltis para chegar ao título

Enquete

  • Quem foi o destaque da final?
  • Cevallos
  • Guerrón
  • Bolaños
  • Bieler
  • Thiago Neves
  • Busque outras notícias no Terra