Mundial de Clubes

publicidade
09 de dezembro de 2012 • 08h41 • atualizado às 08h48

Brasileiro do Ulsan Hyundai admite: "levamos um chocolate"

Brasileiro Rafinha lamenta não ter nem chutado a gol
Foto: Getty Images
  • Direto de Toyota (Japão)
 

O atacante Rafinha, um dos brasileiros que atuam no Ulsan Hyundai, da Coreia do Sul, ao lado do meia Maranhão, não conseguiu esconder a decepção pela derrota diante do Monterrey, do México, por 3 a 1, neste domingo, no Estádio de Toyota, no Japão. "Tomamos um chocolate", admitiu. O revés tirou a chance da equipe de enfrentar o Chelsea na semifinal do Mundial de Clubes da Fifa.

» Pelé, Corinthians e Mazembe; lembre fatos do Mundial de Clubes
» Monte o time ideal do Corinthians para o Mundial de Clubes
» Vai seguir o Corinthians no Japão? Conte sua história!

"A gente não entrou em campo, joguei 90 minutos e não dei um chute para o gol. Aliás, demos apenas um chute, que foi o único gol que fizemos", explicou Rafinha, destaque da equipe do Ulsan no título da Liga dos Campeões da Ásia, este ano, mas que na partida diante dos mexicanos ficou bastante isolado no ataque.

"Eu tive que sair para buscar a bola toda hora. Resumindo: a gente não entrou em campo. Do começo ao fim só deu eles. Acho que faltou experiência, ficamos nervosos, eles estão mais acostumados com partidas assim", disse ainda o brasileiro. Foi a primeira participação dos sul-coreanos no torneio continental.

Experiente, o Monterrey, de fato, envolveu o time do Ulsan com toque de bola e contando com a maturidade dos veteranos De Nigris e Delgado, autor de dois gols na vitória da equipe mexicana. "O toque de bola deles é diferente, e eles conversam bastante entre eles, nosso time é mais calado", acrescentou Rafinha.

Enquanto o Monterrey agora se prepara para enfrentar o Chelsea, na próxima quinta-feira, em Yokohama, o Ulsan Hyundai jogará pela disputa do quinto lugar contra o perdedor de Al Ahly, do Egito, e Sanfrecce Hiroshima, do Japão, que se enfrentam na sequência no Estádio de Toyota. "É difícil, mas temos que ter motivação", completou o brasileiro.

Corintiano desde criança, Rafinha agora pretende, logo após este jogo, "assistir ao Corinthians na final, lá de casa", já que retorna a São Paulo, sua cidade natal, para conhecer o filho Enzo, que nasceu há dez dias.

Terra Terra