Mundial de Clubes

publicidade
09 de dezembro de 2012 • 11h44 • atualizado às 15h13

Com CDs do Corinthians, técnico do Al Ahly diz que fará "dever de casa"

Al Ahly venceu japoneses e pega Corinthians na semi
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra

Após a sofrida vitória diante dos japoneses do Sanfrecce Horoshima, por 2 a 1, que garantiu aos egípcios do Al Ahly uma vaga nas semifinais do Mundial de Clubes da Fifa, no Japão, o técnico Hossam el Badry confessou em entrevista coletiva aos jornalistas que "ainda não tivemos muito tempo para estudar o Corinthians". A partida contra a equipe brasileira acontece na próxima quarta-feira, no Estádio de Toyota, e vale um lugar na grande decisão do torneio.

» Pelé, Corinthians e Mazembe; lembre fatos do Mundial de Clubes
» Monte o time ideal do Corinthians para o Mundial de Clubes
» Vai seguir o Corinthians no Japão? Conte sua história!

El Badry, no entanto, garantiu que "nosso foco agora está no próximo rival", e que já tem em mãos um resumo de informações sobre a equipe comandada pelo técnico Tite. "Eu tenho CDs e vou fazer minha lição de casa", resumiu o treinador egípcio, sem se alongar no assunto. "Sabemos que é um grande time", completou.

Sempre que perguntado sobre o rival brasileiro, que busca o seu bicampeonato no torneio continental, após a conquista da Libertadores da América deste ano, o comandante do Al Ahly tem sido lacônico em suas respostas sobre o que pensa e sabe sobre o time paulista.

No último sábado, antes do treino de reconhecimento do gramado do Estádio de Toyota, El Badry tinha seguido a mesma linha de declarações, por mais que os jornalistas brasileiros presentes questionassem o treinador sobre suas impressões a cerca da equipe alvinegro. Resumidamente, ele agradeceu o elogio do técnico Tite, que já havia manifestado respeito com a equipe africana.

Frio, neve e riscos

O triunfo do Al Ahly nas quartas de final teve percalços como o frio e a neve, bastante incomuns para atletas acostumados a temperaturas saarianas, e demonstrou uma defesa frágil em diversos momentos da partida. Um exemplo disso foi o gol que o capitão do Sanfrecce Hiroshima, Hisato Sato, perdeu nos momentos finais do confronto, cara a cara com o goleiro Ekramy.

Apesar de todos estes problemas, Hossam el Badry preferiu enaltecer o poder de superação de seus jogadores em campo. "Viemos de uma área quente, mas acho que, fisicamente, nossos jogadores foram bem hoje", afirmou.

Sobre os gols perdidos pelos japoneses, e a pressão que eles exerceram ao longo de boa parte do confronto, o treinador disse que "os jogadores já tiveram esse tipo de experiência, e ficamos impressionados com a qualidade do Hiroshima, mas acho que de uma forma geral fomos muito bem, estamos satisfeitos".

Terra