publicidade
09 de dezembro de 2012 • 12h44

Ralf elogia força do Al Ahly e destaca altura dos egípcios

Jogadores do Corinthians acompanharam a vitória do Al Ahly
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra
  • Direto de Nagoya
 

Parte do elenco do Corinthians acompanhou de perto o duelo entre Sanfrecce Hiroshima e Al Ahly neste domingo, em Toyota, que definiu o clube egípcio como rival do time brasileiro na semifinal do Mundial de Clubes. E o volante Ralf foi o primeiro a analisar o adversário, fazendo elogios ao setor ofensivo dos africanos e também à altura de seus atacantes.

» Pelé, Corinthians e Mazembe; lembre fatos do Mundial de Clubes
» Monte o time ideal do Corinthians para o Mundial de Clubes
» Vai seguir o Corinthians no Japão? Conte sua história!

"Temos que analisar a equipe adversária nesses dias. É um time rápido, com jogadores velozes na frente, e temos que dar um jeito de não sair atrás no placar. Os egípcios são muito rápidos na parte defensiva, temos que pensar na parte ofensiva também, pois são jogadores altos e rápidos", definiu Ralf, no retorno da equipe ao Hotel Hilton, em Nagoya.

"Os dois times são muito qualificados. A equipe japonesa teve mais chances, nem toda chance você aproveita e os japoneses não se classificaram. Precisamos de atenção com os egípcios. Vamos ter que saber a hora de ir para cima e a hora de trabalhar a bola. O Tite vai ver a melhor forma e apresentar algo que possamos ver o que será melhor", acrescentou o camisa 5.

O Al Ahly venceu com gols de Hamdy, aos 14min do primeiro tempo, e Aboutrika, aos 11min do segundo, em duelo que demonstrou frieza nas finalizações. Soliman, Barakat e Gedo, outros três atacantes que atuaram no duelo, também são perigosos e podem levar perigo à defesa corintiana.

"Tivemos a oportunidade de conhecer um pouco nosso rival, mas 90 minutos são pouco. Creio que o time japonês poderia ter saído com a classificação pelas chances claras de gol.  Vai ser um confronto difícil e vamos poder saber mais sobre o adversário, vamos ter tempo para conhecê-lo melhor", continuou Ralf.

"Será o primeiro jogo e se ganharmos saberemos qual foi melhor adversário para nós. O time japonês estava em casa e poderia ter se classificado. Claro que será jogo difícil, mas teremos atenção, professor Tite nos passará um pen drive. Nosso estilo de jogo não tem que mudar, precisamos ter a pegada da Libertadores para fazer um bom Mundial", concluiu o volante.

O Corinthians encara o Al Ahly no próximo dia 12 de dezembro, no Estádio de Toyota, em confronto que valerá vaga na decisão do Mundial de Clubes. Na outra semifinal, o Monterrey enfrenta o Chelsea, em Yokohama.

Terra