inclusão de arquivo javascript

Futebol

 
 

Juninho cai, e Oswaldo assume Corinthians

17 de fevereiro de 2004 08h58 atualizado às 10h45

O técnico Juninho Fonseca foi demitido pelo Corinthians. Oswaldo de Oliveira foi confirmado como o substituto por sua mulher, informa a Rádio Jovem Pan. O treinador volta ao Parque São Jorge após quase quatro anos. A apresentação será esta tarde. Ele foi campeão paulista e brasileiro em 99, e levantou o primeiro mundial interclubes do time em 2000.

O ex-técnico do Flamengo chega com sua comissão técnica: seu irmão, Waldemar Lemos, será o auxiliar-técnico. A preparação física ficará nas mãos de Fábio Mahseredijian. Mas ele só será confirmado após a final da Taça Guanabara (primeiro turno do Campeonato Carioca), no sábado, pois está no Flamengo.

Jairo Leal, assistente herdado da era Parreira, e o preparador físico Moracy Sant'Anna, que está com a Seleção Brasileira na Irlanda, também sairão.

O acerto com Oswaldo significa uma vitória do vice-presidente de futebol, Antonio Roque Citadini, que defendia a volta do campeão de 99 e 2000 ao clube paulista. Tite, que deixou o São Caetano na última segunda-feira, recebeu uma proposta, mas pediu muito e o nome do técnico carioca foi escolhido durante uma reunião que durou seis horas na segunda-feira.

Em sua primeira passagem, Oswaldo assumiu o comando do time como interino em 98, por dois jogos, quando Luxemburgo teve que cumprir suspensão. Em 99, em janeiro, foi efetivado como treinador após a saída do técnico principal, que foi se dedicar exclusivamente à Seleção. Acabou substituído por Evaristo de Macedo e retornou à função de auxiliar.

Mas os maus resultados do veterano treinador colocaram Oswaldo de novo no comando. Foi o técnico de maio de 99 a junho de 2000.

O último clube do novo técnico do Corinthians foi o Flamengo. Ele saiu da equipe no fim de 2003 por atraso no pagamento de salários.

A saída de Juninho

Insatisfeita com os resultados do time no Campeonato Paulista, que ocupa a lanterna do Grupo 1, com cinco pontos, a diretoria do clube cedeu à pressão e mandou Juninho embora. Os dirigentes, porém, não queriam que ele soubesse da demissão pela imprensa. Por isso, nada falaram após a reunião de segunda-feira.

Ele estava no comando desde outubro do ano passado, quando assumiu o lugar de Júnior, que deixou o clube após duas derrotas no Campeonato Brasileiro.

O treinador sabia que uma derrota no clássico para o São Paulo no último domingo tornaria praticamente impossível sua permanência. Visivelmente perturbado, ele saiu em silêncio de campo e mostrou irritação na entrevista coletiva.

Em princípio, Juninho assumiu apenas para dirigir o Corinthians até o final do Campeonato Brasileiro. Sem chances de classificação para a Libertadores, mas também longe da zona de rebaixamento, o time não tinha pretensões.

Após a competição, porém, o treinador foi efetivado e assinou contrato até o final deste ano. O diretor-técnico Roberto Rivellino, na época, se colocou como o grande responsável pela manutenção do técnico.

Redação Terra