0

Paris agirá contra líder rebelde de Cabinda exilado na França

11 jan 2010
07h04
atualizado às 10h02

As autoridades francesas têm intenção de atuar contra o líder do grupo separatista do enclave angolano de Cabinda que reivindicou o atentado da sexta-feira contra a seleção do Togo, que vive exilado na França e ameaçou continuar agindo contra a Copa Africana de Nações.

» Veja fotos do retorno de Togo
» Veja o mapa da região
do atentado em Angola

» Polícia prende dois suspeitos por ataque à seleção de Togo
» Avião com seleção do Togo pousa em Lomé após atentado
» Na abertura, presidente de Angola condena "ato de terrorismo"
» Em 15min, Mali faz 4 e conquista empate heroico contra Angola

"Essas ameaças são inaceitáveis e as condenamos com firmeza, porque a chamada à violência não pode se justificar por nenhuma razão", disse nesta segunda-feira o portavoz francês do Ministério de Assuntos Exteriores, Bernard Valero, em entrevista à emissora France Info.

Ele se referia às palavras de Rodrigues Mingas, chefe das autodenominadas Forças de Libertação do Estado de Cabinda Posição Militar (FLEC-PM), que vive na França e justificou neste domingo o atentado contra a seleção do Togo, dizendo ainda que poderia haver novas ações.

Valero criticou Mingas e condenou com vigor suas palavras. "Isso não ficará assim. Temos intenção de esclarecer as circunstâncias que o levaram a fazer essas declarações", disse.


Governo francês condenou ataque de separatistas aos togoleses em Angola
Governo francês condenou ataque de separatistas aos togoleses em Angola
Foto: AFP
EFE   
publicidade