5 eventos ao vivo

Queda na Libertadores: receitas menores e 'readequação' no Grêmio

17 mai 2013
10h22

O clima em uma eliminação, por si só, já é horrível. Em uma queda no maior objetivo do clube na temporada então, nem se fala. A realidade terá de mudar no Grêmio. Com os maiores investimentos feitos para a disputa da Copa Libertadores da América, a derrota para o Independiente Santa Fe deve acarretar "adequações" dentro do elenco, segundo dirigentes do clube. No primeiro balanço feito, no início de maio, ficou registrado um déficit de R$ 28 milhões nos primeiros três meses do ano.

O clube gaúcho desembolsou muito dinheiro na montagem de sua equipe. Contratou Barcos, Vargas, Welliton, André Santos, Cris, Dida, entre outros jogadores. Além disso, enfrenta uma transição até agora complicada para a Arena – o presidente Fábio Koff, inclusive, ficou em Porto Alegre para tratar do assunto – e a construção de um Centro de Treinamentos. A eliminação na Libertadores secou uma fonte de receita por conta de prêmios, renda e consumo, entre outros pontos.

- Acarreta preocupações. Tínhamos estimativa de receita maior com a Libertadores, com prêmios, mobilização da torcida. Mas nada que não tenha acontecido na história recente do Grêmio – limitou-se a dizer Fábio Koff, à Rádio Bandeirantes.

Jogadores caros podem deixar o clube. Casos de Vargas e André Santos, por exemplo. Ambos estão emprestados ao Tricolor, com uma cláusula que os clubes de origem na Europa podem chamá-los de volta ao final da primeira metade do contrato. Algumas saídas já ocorreram: a principal delas, a de Marcelo Moreno para o Flamengo. Além dele, foram Willian José para o Santos, Douglas Grolli para o São Caetano e Bertoglio, que tem seu contrato encerrando.

- O Grêmio montou um plantel que priorizava a Libertadores. Fizemos investimentos dentro do que tínhamos que fazer. Temos a possibilidade de adequar esse time. Se não estamos na competição, temos que buscar readequar a equipe e o departamento para continuar com a possibilidade de sermos campeões – comentou o diretor executivo Rui Costa.

A projeção, se mantivesse a toada, é de déficit de R$ 80 milhões ao final do ano. No entanto, o clube gaúcho planeja segurar os gastos e ajeitar as finanças. Sem a Libertadores, claro, tudo fica mais difícil.

Fonte: Lancepress! Lancepress!
publicidade