0

Seleção de futebol do Egito pede proteção em Angola

11 jan 2010
08h55
atualizado às 10h25

O presidente da federação de futebol do Egito, Samir Zahir, pediu ao governo de seu país que tome "medidas urgentes" para proteger a seleção egípcia, que está em Angola para disputar a Copa Africana de Nações.

» Veja fotos da volta de Togo
» Veja imagens do atentado
» Veja o mapa da região
do atentado em Angola

» Queríamos jogar pelos colegas mortos, diz Adebayor
» Para médico, volta de goleiro do Togo é questão de "coração"
» Polícia prende dois suspeitos por ataque à seleção de Togo
» Paris agirá contra líder rebelde de Cabinda exilado na França

"Espero que os responsáveis no Egito me ouçam e atuem o mais rápido possível para tomar medidas urgentes e proteger a missão (egípcia), enviando forças de segurança, porque não confiamos nas medidas de segurança angolanas", disse Zahir em Angola, citado nesta segunda-feira pelo jornal egípcio Al Masri al Youm.

As declarações de Zahir são feitas depois que, na sexta-feira passada, o ônibus que transportava os jogadores da seleção do Togo, que era escoltado pela polícia angolana, foi metralhado por membros da guerrilha separatista Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (Flec), que assumiu a autoria da ação.

"A equipe egípcia é muito maior (que a do Togo), por isso os cassetetes dos soldados (angolanos) não são suficientes para protegê-la. É preciso tomar medidas antes que aconteça uma catástrofe", disse Zaher.

Em consequência do atentado da sexta-feira passada, o governo togolês decidiu retirar sua seleção da competição africana, ao considerar que não existiam as garantias de segurança necessárias para continuar no torneio, apesar de alguns jogadores terem afirmado que queriam jogar em homenagem aos colegas mortos e feridos.


Egípcios, "maiores" que Togo, querem evitar riscos semelhantes em Angola
Egípcios, "maiores" que Togo, querem evitar riscos semelhantes em Angola
Foto: Reuters
EFE   
publicidade