Sul-Americano Sub-20

publicidade
22 de janeiro de 2013 • 18h43 • atualizado às 20h11

Zagueiro do Peru Sub-20 é acusado de ser equatoriano e ter 25 anos

Max Barrios (dir.) foi acusado de ter 25 anos e ser equatoriano
Foto: AFP

Um dos zagueiros da seleção peruana Sub-20 que venceu o Brasil na partida que marcou a eliminação da equipe de Emerson Ávila do Campeonato Sul-Americano, na última semana, Max Barrios seria equatoriano e se chamaria, na verdade, Juan Carlos Espinosa Mercado.

A acusação foi feita à Agência Efe, nesta terça-feira, pelo chefe de imprensa da Federação Equatoriana de Futebol (FEF), Victor Mestanza, que afirmou ainda que o atleta tem mais de 20 anos.

A possível fraude foi alertada por um atleta da seleção do Equador durante a partida contra o Peru, na última quarta, válida pela fase de grupos do torneio, disputado na Argentina. "Durante o jogo entre Equador e Peru, pelo Sul-Americano Sub-20 na Argentina, um dos nossos atletas identificou o jogador, por isso imediatamente foi feita a denúncia", detalhou Mestanza.

Diante do fato, dirigentes da Conmebol pediram à FEF que formalizasse a denúncia, o que foi feito imediatamente, garantiu o porta-voz. Segundo Mestanza, o atleta tem registro na federação equatoriana como Espinoza Mercado e nasceu em 1987, na cidade equatoriana de Machala.

Mercado teria jogado nas categorias de base da Liga de Loja de 2004 a 2007, e a última atuação teria acontecido em 2010, já no time profissional. No Sul-Americano, ele já fez algumas partidas como titular do Peru, mas não pôde entrar em campo contra o Brasil por estar suspenso.

EFE