0

Togo é pressionado a continuar na Copa Africana

9 jan 2010
16h10
atualizado às 17h05

Os organizadores da Copa das Nações Africanas e o governo de Angola pediram à seleção do Togo para permanecer no torneio, um dia depois do ataque contra o ônibus da equipe, que deixou três pessoas mortas na região angolana de Cabinda.

» Veja imagens do atentado
» Togo abandona Copa Africana; mortes podem chegar a 4
» Togoleses apontam feridos e relatam atentado: "parecia guerra"
» Veja a tabela da Copa Africana
» África do Sul descarta temor de atentados aéreos na Copa
» Opine: quais serão os clubes mais prejudicados com a Copa Africana?

A seleção do Togo se preparava para estrear na competição na segunda-feira, em uma partida contra Gana, na mesma região, mas na sexta-feira o ônibus em que viajavam foi metralhado pouco depois de atravessar a fronteira, vindo do Sudão.

O motorista, o técnico assistente e o assessor de imprensa da equipe foram mortos e dois jogadores ficaram feridos, e depois do ataque, os jogadores anunciaram que iam deixar a competição. O primeiro-ministro angolano, Paulo Kassoma, se reuniu com as autoridades do futebol do país para oferecer garantias sobre a segurança dos jogadores na véspera do torneio.

"O primeiro-ministro considera o incidente em Cabinda um ato isolado e repetiu que a segurança da equipe de Togo e de outras seleções está garantida", afirma um comunicado de seu gabinete. O braço armado do grupo separatista Forças de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC) assumiu a responsabilidade pelo ataque.

O enclave de Cabinda, no norte de Angola, rico em petróleo, é conhecido pelo conflito separatista, iniciado em 1975, quando o país tornou-se independente de Portugal. O governo angolano chamou o incidente de "ato de terrorismo".

Adebayor, do Manchester City, já declarou que não jogará Copa Africana
Adebayor, do Manchester City, já declarou que não jogará Copa Africana
Foto: Reuters
BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
publicidade