publicidade
14 de novembro de 2012 • 09h08 • atualizado às 11h22

Falcão desequilibra, e Brasil elimina Argentina de virada

Falcão foi o herói da virada brasileira ao sair do banco e fazer dois gols Foto: AP
Falcão foi o herói da virada brasileira ao sair do banco e fazer dois gols
Foto: AP
 

Em partida emocionante nas quartas de final do Mundial de Futsal da Tailândia, o Brasil contou com atuação heroica do craque Falcão para bater a arquirrival Argentina por 3 a 2, depois de sair perdendo por 2 a 0 no primeiro tempo, e se classificar às semifinais. O camisa 12, ainda distante da melhor forma física e sofrendo de uma paralisia facial por estresse, começou no banco e entrou para marcar os dois gols que decretaram a virada verde-amarela, espantando o que seria a maior "zebra" da competição. Após fazer o 3 a 2, o ala não conteve as lágrimas e chorou muito no banco de reservas.

Neto fez o outro gol brasileiro, enquanto Rescia e Borruto haviam balançado as redes para os argentinos. Com a classificação, o Brasil enfrenta a surpreendente Colômbia na semifinal - o time sul-americano eliminou a Ucrânia com uma vitória por 3 a 1 nas quartas. A Seleção busca o sétimo título mundial (levando em conta os dois triunfos sob a tutela da extinta Fifusa, em 1982 e 1985, que não são considerados pela Fifa).

O jogo começou com domínio quase total brasileiro, com o veloz time argentino apostando na marcação forte e na saída para o contragolpe. Nas vezes em que o quarteto nacional conseguia superar o aplicado bloqueio rival, porém, parava na grande atuação do goleiro Santiago Elias. Outro "aliado" dos argentinos foi a trave: o Brasil acertou nada menos que cinco chutes no poste adversário.

A pressão da Seleção foi interrompida pela expulsão do pivô Jé, que tomou o segundo amarelo aos 9min. O Brasil não sofreu gols durante os dois minutos jogando com um a menos, mas aos 16min veio o primeiro golpe da Argentina: após veloz contra-ataque, Rescia recebeu na ala direita e bateu cruzado, vencendo o goleiro Tiago, que ainda conseguiu tocar na bola.

Menos de um minuto depois, o experiente pivô Borruto tirou a marcação brasileira para o pé esquerdo e chutou entre as pernas de Tiago, aumentando a vantagem para 2 a 0. Sem se abalar, o Brasil seguiu dominando a posse de bola e criando chances, mas as finalizações teimavam em não entrar. Falcão, recuperado recentemente de lesão na panturrilha e sem conseguir piscar o olho direito, chegou a entrar apenas para bater uma falta - chutou para fora - e saiu logo na sequência.

Com mais da metade do segundo tempo decorrido, Falcão novamente voltou à quadra. E pouco depois, aos 32min, o Brasil diminuiu com Neto, que acertou um potente disparo cruzado de pé esquerdo e finalmente venceu o goleiro Elias. Animada, a Seleção chegou ao empate no minuto seguinte com seu grande astro: Falcão recebeu na entrada da área, girou e bateu entre as pernas do marcador, igualando o placar em Bangcoc.

Tenso, o jogo não teve mais gols no tempo normal e seguiu para a prorrogação. Pendurado com cinco faltas - a sexta dá direito a um tiro livre para o adversário - o Brasil permitia espaços à Argentina e tomava sustos, mas também levava perigo, especialmente com Neto e Falcão. E foi o camisa 12 quem conseguiu a virada, recebendo passe simples de escanteio e soltando a perna esquerda do meio da quadra para decretar o 3 a 2 no fim do primeiro tempo. Na comemoração, Falcão não conseguiu segurar o choro.

O segundo tempo da prorrogação viu o time argentino se desesperar cada vez mais em busca do empate e apostar em Elias como goleiro-linha. Porém, as limitações da equipe para trabalhar a bola com passes rápidos e furar a marcação brasileira ficaram evidentes. Controlando o ritmo, a Seleção ainda teve a chance do quarto gol com Fernandinho, que perdeu grande oportunidade na segunda trave. No fim, a Argentina não teve forças para fazer o terceiro gol, e o Brasil carimbou passagem às semifinais.

Terra