1 evento ao vivo

Campeã brasileira juvenil, Rebeca Andrade surge como joia de geração

1 set 2012
16h44
atualizado às 16h48
JOÃO PAULO DI MEDEIROS
Direto de Goiânia

Sorridente, serelepe, pequenina e vencedora. Esses são alguns atributos da revelação da ginástica artística feminina do Brasil. Dentro de uma mentalidade de renovação desse esporte no Brasil, Rebeca Andrade, 13 anos, surge como esperança na modalidade. Ainda muito nova, Rebeca começa a lidar com os holofotes. A pequenina destaca que o seu sucesso deve-se principalmente aos treinadores e às colegas ginastas que treinam o tempo todo com ela.

Rebeca surpreendeu ao vencer a etapa do Troféu Brasil disputada em maio na cidade de Toledo, no Paraná, desbancando atletas adultas e já consagradas como Daniele Hypólito e Jade Barbosa.

No Campeonato Brasileiro de Ginástica que foi disputado em Goiânia, a pequenina subiu no lugar mais alto do pódio e conquistou várias medalhas. Na categoria juvenil, entre 13 e 15 anos, a ginasta do Flamengo foi campeã brasileira no individual geral, levou a melhor no exercício do solo e foi medalha de prata nas competições do salto e das paralelas.

Quando perguntada sobre o que acha de ser apontada como uma grande revelação da ginástica, Rebeca tira de letra. "Eu fico muito feliz, pois eles estão reconhecendo todo o esforço que eu faço. Eu me dedico muito. Eu preciso muito de todos os meus técnicos, minhas amigas sempre me dando força, da minha família e gosto muito, pois estão vendo o jeito que eu sou", afirmou.

Mesmo ainda muito nova, Rebeca mostrou firmeza no seu propósito e mira a Olimpíada do Rio de Janeiro como o seu grande objetivo. "É isso que eu quero para a minha vida, eu gosto muito do esporte que eu faço e quero chegar até 2016 para mostrar para todo mundo que eu consigo", projetou.

Rebeca divide espaço com ginastas como Jade Barbosa, Daniele Hypólito e o medalhista de ouro Arthur Zanetti entre outros nomes. Para ela, isso só aumenta a pressão em se tornar ainda mais forte para um dia fazer o que seus ídolos fizeram. "Para mim é muito bom, porque vendo que eles já foram a uma Olimpíada me dá ainda mais força para chegar em 2016", ressaltou.

Uma das responsáveis pelo sucesso de Rebeca é a treinadora Kelly Kitaura, que convive com a ginasta desde que a jovem tinha seis anos. Kitaura disse que apesar do sucesso recente, ainda há muito a fazer para que Rebeca esteja entre as melhores do mundo. "Ela é muito nova, mas tem que trabalhar muito para atuar em alto nível. Aqui no Brasil ela é uma das melhores, mas temos muito trabalho pela frente nesses quatro anos para que ela evolua internacionalmente", explicou.

A treinadora apontou as principais características de Rebeca e salientou a força de competição da garota. "Muito explosiva, tem muita potência, é muito forte e é muito competidora. Ela treina, às vezes faz cara feia, chora, mas na competição a gente vê que ela está sempre tranquila, alegre e diz que vai sempre tentar fazer o melhor", destacou.

Ao final da competição, além das medalhas, Rebeca Andrade garantiu uma vaga na Seleção Brasileira da categoria juvenil que disputará em outubro, em Cochabamba, na Bolívia, o Campeonato Sul-Americano.

Rebeca Andrade surge como promessa para Jogos do Rio
Rebeca Andrade surge como promessa para Jogos do Rio
Foto: MEI João Paulo Bezerra Di Medeiros - Especial para o Terra
Fonte: MEI João Paulo Bezerra Di Medeiros - Especial para o Terra

compartilhe

publicidade