0

Em fim de carreira, Daiane relata "pressão" de lutador por casamento

5 set 2012
07h57
atualizado às 18h30
Rafael Bragança
Direto de São Paulo

Daiane dos Santos ainda nem deixou os tablados, onde sempre teve a necessidade de bons resultados, e já sabe que terá que lidar com outra "pressão" quando encerrar a carreira, ao final do ano. Próxima do adeus, a ginasta, 29 anos, faz planos de se casar e ter filhos, mas se depender do namorado, o lutador de MMA (Artes Marciais Mistas, em inglês) Ramón Martins Moreira da Silva, o casamento sairá antes do que a atleta projeta.

Ao receber alta do Hospital Samaritano, na capital paulista, nesta terça-feira, após realizar uma cirurgia no joelho esquerdo - a oitava na carreira -, Daiane falou sobre os planos para a vida pessoal. Enquanto a ginasta conversava com a imprensa, o lutador, 28 anos, observava tudo atento, a poucos metros. No entanto, não resistiu em comentar a hesitação da namorada quando foi acompanhá-la na saída do hospital.

"Está na hora já, começar a arrumar as coisas pelo menos", brincou Ramón, logo depois de Daiane contar sobre sua cautela em planejar o casamento. "Vamos ver, vai depender muito de nós dois. A gente quer muito. Mas tem que esperar", disse. "Eu falei outro dia, que essa parte é mais minha do que dele, de ir com mais calma. Por ele a gente estava casado já. Eu sou meio cautelosa mesmo", admitiu Daiane.

"Eu brinco com ele: 'não tenho emprego, como é que vai casar agora?'", continuou a ginasta, lembrando que seu contrato de atleta com o clube Pinheiros se encerra no final do ano. "Agora vou cuidar um pouco mais do lado pessoal. Casar e ter filhos eu quero muito, mas eu entro numa fase nova, ainda estou esperando as coisas acontecerem", explicou Daiane, que tem vontade de permanecer no esporte, só que na área administrativa.

Daiane e Ramón já moram juntos em São Paulo. O namorado da ginasta tenta iniciar uma carreira no MMA e treinou em academias de artes marciais em Porto Alegre, cidade natal de Daiane, que comemora a possibilidade de poder dar mais atenção para a vida pessoal em breve. "Vou ter mais tempo para ele (namorado), para minha família, para os amigos, que às vezes a gente acaba deixando um pouco de lado."

Perto da aposentadoria, Daiane avalia a sua trajetória na ginástica com orgulho, procurando minimizar a falta de uma conquista em Olimpíadas. "Eu queria muito a medalha olímpica, mas eu me sinto satisfeita com a carreira. Acho que tive chances concretas de ter e não veio. Tenho títulos que pouquíssimas pessoas têm. Sou a única campeã (mundial) do Brasil da ginástica feminina. Acho que tenho que ficar feliz por isso. Quero muito que venham outras meninas e que a gente cresça cada vez mais", resumiu a ginasta.

Primeira e única campeã mundial da modalidade, com o título conquistado em 2003, Daiane confessa que gostaria de uma homenagem da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG), mas não pensa a respeito. "Quem tem que saber são eles (CBG). Eu sempre honrei o nome do Brasil, fiz meu máximo pelo Brasil e pela ginástica. Sempre é bom ser homenageado, mas esse lado quem tem que pensar não é a gente", finalizou.

Daiane passou por artroscopia no joelho nesta terça e teve que deixar o hospital de cadeira de rodas
Daiane passou por artroscopia no joelho nesta terça e teve que deixar o hospital de cadeira de rodas
Foto: Rafael Bragança / Terra
Fonte: Terra

compartilhe

publicidade