0

Em SP, técnico de Zanetti rebate protesto chinês: "não existe roubo"

9 ago 2012
10h37
atualizado às 11h18

Ricardo Santos
Direto de Guarulhos

As reclamações chinesas de que Arthur Zanetti teria sido supostamente favorecido nos Jogos Olímpicos de Londres chegaram aos ouvidos do treinador do atleta, Marcos Goto. Nesta quinta-feira, no retorno de ambos ao Brasil após a conquista da medalha de ouro nas argolas, o técnico rebateu as acusações ao afirmar: "não existe roubo".

» Veja as mais belas atletas, torcedoras e cheerleaders de Londres 2012
» Vote na maior decepção brasileira nos Jogos
» Escolha o esporte e assista aos vídeos da Olimpíada
» Saiba tudo sobre os medalhistas do Brasil
» Confira a programação de ao vivo do Terra
» Veja a agenda e resultados dos Jogos

Zanetti fez história na ginástica nacional ao garantir o primeiro pódio para a modalidade em um evento deste nível na última segunda-feira. Ele deixou na segunda colocação o chinês Yibing Chen, tetracampeão mundial e campeão olímpico em Pequim, enquanto que o bronze ficou com o italiano Matteo Morandi.

Treinador do atleta chinês, Huang Yubin não concordou com a avaliação dos juízes. De acordo com o jornal, China Daily, Yubin destacou a rotina sem falhas de Chen precedida por uma aterrissagem um pouco desequilibrada do brasileiro. Ambos os ginastas programaram apresentações com dificuldade 6.8 e, no final, Zanetti recebeu a nota de 15.900, contra 15.800 de Yibing.

Na manhã desta quinta, em entrevista concedida ao lado de Zanetti em um hotel de Guarulhos, Goto minimizou as reclamações. "Não existe roubo, não existe nada. O Arthur competiu na preliminar com uma prova de (dificuldade) 6.500 e tirou 15.616. Ele competiu a classificatória com 6.800 e tirou 15.800. Ele competiu a final por equipes e tirou 15.600, com uma prova de (dificuldade) 6.500. Depois a final, foi uma prova de 6.800, tirou 15.900. Então as provas estão aí, durante as competições no ano o Arthur tirou entre 15.800 e 15.900, é só fazer matemática", afirmou.

Por causa da estratégia adotada pelo técnico e de um pouco de sorte, Zanetti foi o último ginasta a se apresentar na final, o que era do interesse de Goto - segundo este, ao ver a prova do brasileiro, outro atleta poderia aumentar a dificuldade da própria apresentação, por exemplo. A partir daí, segundo Arthur, foi só fazer o que sempre fez.

"Não fiquei olhando prova de outros atletas", disse o jovem, 22 anos. "Estava concentrando nas minhas emoções e repassando minha série na cabeça. Então quando eu fui fazer minha prova, não escutei mais nada, não consegui ver mais nada, a série fluiu normalmente e todos os movimentos saíram do jeito que eu queria".

Ouro nas argolas, Zanetti exalta família, amigos e disciplina

Zanetti, que foi recepcionado por amigos e familiares aos gritos de "é campeão" no desembarque no Aeroporto de Guarulhos, na manhã desta quinta-feira, concedeu entrevista em um hotel da mesma cidade logo depois. O atleta nascido em São Caetano, no ABC paulista, ressaltou o papel do apoio da família, dos colegas e da disciplina que aprendeu a ter para conquistar a desejada medalha olímpica.

"Essa medalha tem um peso pra todo mundo, o Marcos (Goto), meu técnico, a psicóloga, a nutricionista, a associação, fisioterapeuta, e também meus amigos que estão aqui comigo", disse ele, sob vivas dos companheiros de treinamento em São Caetano, no ABC paulista.

A comemoração da vitória, no entanto, vai ter de ser muito comedida, porque já na segunda-feira ele deve voltar a treinar. "O ano não acaba, ainda há outras competições, e cada competição é um objetivo. Descansar mesmo só no final do ano, que é quando vai encerrar tudo", apontou.

Zanetti destacou também que a conquista exigiu esforço e alguns sacrifícios, e que o apoio da família foi fundamental. "Na infância tive que deixar de fazer muita coisa, viajar, sair, ir pra balada, porque no dia seguinte de manhã teria treino. E também não podia comer muito doce, chocolate, porque senão o dia seguinte ficaria pesado e acabaria atrapalhando o treino", contou o atleta, ressaltando o papel dos parentes.

"Acho que a família é de grande importância. Agora só quero ficar com eles e com meus colegas que me ajudaram a chegar aqui. Foi por causa deles que eu cheguei até esse resultado", disse Arthur, fazendo questão de que eles o acompanhassem na carreata que faria pelas ruas São Caetano em cima de um caminhão dos bombeiros, completando a sua quinta-feira de festa na volta ao Brasil.

Arthur Zanetti comemora o ouro em Londres com a namorada
Arthur Zanetti comemora o ouro em Londres com a namorada
Foto: Reuters
Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade