0

"Gosto de chaves difíceis", diz Federer sobre Wimbledon

23 jun 2013
12h11
atualizado às 13h44
  • separator
  • 0
  • comentários

Roger Federer não teve muita sorte no chaveamento do torneio de Wimbledon, mas o fato não o preocupa. O suíço fez questão de ressaltar que está preparado, mesmo existindo a possibilidade de ter que passar por Rafael Nadal, Andy Murray e Novak Djokovic para ganhar o título.

<p>Federer pode cruzar com Nadal, Murray e Djokovic na competição inglesa</p>
Federer pode cruzar com Nadal, Murray e Djokovic na competição inglesa
Foto: AP

"Eu gosto de chaves difíceis. Não tenho medo delas. Não posso controlar nada. Só posso saber contra quem eu jogo. Mas tenho uma chave difícil, com Rafa no meu quadrante", destacou o Federer, que não mede forças com Nadal em Wimbledon desde 2008, quando perdeu para o rival espanhol em cinco sets a decisão.

Apesar de já estar analisando o caminho que terá que superar no torneio britânico caso queira levantar pela oitava vez o troféu no All England Club, o jogador da Suíça frisa que é importante pensar jogo a jogo.

"Meu foco está na primeira rodada. Para ganhar o torneio aqui, é preciso vencer os melhores. Estou aqui para isso. Fico feliz de voltar, sem dúvida. Sempre é um privilégio estar aqui", declarou Federer, que estreia nesta segunda-feira contra o romeno Victor Hanescu, número 47 do mundo.

Lembrando-se da primeira vez que ganhou o torneio de Wimbledon, o atual terceiro colocado no ranking da ATP comemorou a trajetória na carreira. "Foram 10 anos incríveis. Não consigo acreditar que tive tanto sucesso, foi um processo muito legal. Eu me diverti muito no circuito. Joguei tantas partidas e passei por coisas tão especiais. Sempre serei grato a esse primeiro título de Wimbledon. Tudo aconteceu muito rápido, mas estou feliz de continuar jogando e sendo um dos favoritos aqui. Estar aqui 10 anos após o primeiro título e também como atual campeão é único".

O fato de Wimbledon ser disputado sobre a grama também favorece Federer. E, para ele, para se dar bem neste tipo de piso não há segredo. "Acho que, na grama, quanto mais você joga, mais aprende. Hoje, eu sei como jogar nela, mas a empolgação é a mesma. Ainda estou motivado e querendo ganhar, provando como posso jogar bem", finalizou o dono de 17 Grand Slams.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade