0

Sindicato faz queixa-crime contra ex-presidente do Inter

Sindicato dos Radialistas do Rio Grande do Sul acusa Fernando Carvalho e rádio de exercício ilegal da função de radialista

12 nov 2014
18h22
atualizado às 18h41
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Fernando Carvalho foi convidado a participar da Rádio Gaúcha como comentarista</p>
Fernando Carvalho foi convidado a participar da Rádio Gaúcha como comentarista
Foto: Daniel Boucinha/Internacional / Divulgação

O Sindicado dos Radialistas do Rio Grande do Sul registrou uma queixa-crime contra a Rádio Gaúcha e o ex-presidente do Internacional de Porto Alegre por exercício ilegal da profissão. O cartola assumiu a vaga no programa Sala de Redação no dia seguinte a demissão do comentarista Kenny Braga, desligado da rádio após uma discussão com Paulo Sant’Ana, que foi suspenso por tempo indeterminado.

Na queixa feita pelo sindicato na Polícia Civil, o presidente da entidade Antonio Ricardo Malheiros Silva de Souza alega que, mesmo sendo advogado, Fernando Carvalho deveria ter registro profissional para atuar na rádio. Nos últimos meses, profissionais foram demitidos da rádio e de outros veículos que fazem parte do grupo RBS por conta de uma reestruturação na empresa.

De acordo com a entidade, a empresa e o dirigente infringem a Lei do Radialista e acusa a emissora de ser conivente  e incentivadora de crime, por contratação de profissional irregular. Fernando Carvalho disse apenas que foi “convidado para participar do programa, com prazo determinado, até o final do ano, mas prefiro não me pronunciar sobre isso”.

Na última terça, após o anúncio de sua participação, Carvalho disse que sua participação é para vinte programas.  “Eles me convidaram para ser efetivo do programa, mas eu disse que tenho os meus afazeres profissionais e não poderia atender ao pedido, mesmo eles tendo oferecido um bom dinheiro. Eu não gosto de assumir compromisso e depois não poder cumprir, eu estou toda hora viajando e iria faltar muito. Por isto acertei um contrato temporário por 20 programas, mesmo assim terão uns dias que eu irei faltar, na próxima semana eu vou estar no Paraguai e não poderei comparecer em alguns dias”.

Foto: Reprodução

Informações não confirmadas dão conta de que o salário seria muito maior que o piso de radialista no Rio Grande do Sul, que é de pouco mais de R$ 1 mil.

A confusão que abriu a vaga hoje ocupada pelo cartola aconteceu quando os comentaristas analisavam a vitória do Grêmio de goleada contra o Inter. Kenny Braga começou a reclamar que Paulo Sant'Anna e Cacalo Silveira Martins sempre são agressivos quando os times deles ganham ou perdem.

Então, Paulo respondeu: "vai gritar com a tua mãe". Kenny se irritou imediatamente e passou a falar palavrões: "a tua mãe, filho da p... Você não vai botar a minha mãe na história. Esse cara é louco, tem que ser internado".

Os outros integrantes se intrometeram e acalmaram a situação. Mas a Rádio Gaúcha entendeu que o acontecimento era grave demais para passar despercebido.

"Em razão de o jornalista Kenny Braga ter utilizado expressão de baixo calão para ofender um dos participantes do programa Sala de Redação, durante a edição desta segunda (10), o Grupo RBS decidiu desligá-lo de suas atividades profissionais tanto na Rádio Gaúcha quanto no Diário Gaúcho", anunciou uma nota oficial do grupo na segunda-feira.

Fernando Carvalho foi presidente do Internacional durante as grandes campanhas iniciadas em 2005 que culminaram com a conquista de dois títulos da Copa Libertadores e um Mundial, além de outras conquistas internacionais.

Além de advogado o Fernando Carvalho tem uma rede de estacionamentos e trabalha como consultor de um grupo de empresários de jogadores de futebol. Ele analisa desempenho de jovens jogadores e indica para estes empresários, que são do Paraná.

A assessoria de imprensa do Grupo RBS foi procurada pelo Terra para comentar a queixa, mas ainda não se pronunciou sobre o caso.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade