0

Haras de xeique de Dubai admite "erro catastrófico" em doping

23 abr 2013
09h22

Um treinador do haras Godolphin, que pertence ao xeique governante de Dubai, admitiu um "erro catastrófico" na administração de estereoides para dopar cavalos no local.

Xeique governante de Dubai, Mohammed bin Rashid al-Maktoum, é visto durante campeonato mundial no Hipódromo Meydan, nos Emirados Árabes. Um treinador do haras Godolphin, que pertence ao xeique governante de Dubai, admitiu um "erro catastrófico" na administração de estereoides para dopar cavalos no local. 30/03/2013
Xeique governante de Dubai, Mohammed bin Rashid al-Maktoum, é visto durante campeonato mundial no Hipódromo Meydan, nos Emirados Árabes. Um treinador do haras Godolphin, que pertence ao xeique governante de Dubai, admitiu um "erro catastrófico" na administração de estereoides para dopar cavalos no local. 30/03/2013
Foto: Ahmed Jadallah / Reuters

Exames indicaram 11 cavalos com sinais de esteroides proibidos, como o estanozolol -a mesma substância usada pelo velocista Ben Johnson na Olimpíada de Seul-88.

O treinador Mahmood Al Zarooni será submetido a um inquérito disciplinar da Autoridade Britânica do Turfe por causa dos exames positivos em cavalos sob seus cuidados na localidade inglesa de Newmarket.

"Lamento profundamente o que aconteceu, eu cometi um erro catastrófico", disse Al Zarooni no site do haras Godolphin (www.godolphin.com).

"Como os cavalos envolvidos não estavam correndo na época, não percebi que o que eu estava fazendo violava as regras do turfe. Só posso pedir desculpas pelo dano que isso causará ao Godolphin e ao turfe em geral."

Simon Crisford, gerente do haras, disse que o xeique Mohammed bin Rashid Al Maktoum ficou "absolutamente perplexo" ao ser informado do caso, e que o doping "é absolutamente inaceitável para ele".

Fundado em 1992, o haras já venceu mais de 2.000 páreos em 14 países.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

publicidade