inclusão de arquivo javascript

Esportes

 
 

Fina promete "ir a fundo" na investigação de maiôs

29 de julho de 2009 11h12

Maiôs como o da Arena são totalmente impermeáveis, diz estudo. Foto: AP

Maiôs como o da Arena são totalmente impermeáveis, diz estudo
Foto: AP

Que os "maiôs milagrosos" são um dos principais trunfos dos nadadores em busca de recordes na natação, todos sabem. O item, porém, ainda não ganhou a simpatia da Federação Internacional de Natação (Fina), que promete "ir a fundo" na investigação dos motivos que fazem os atletas serem mais rápidos com a peça.

» Veja fotos do Mundial
» Veja as ampliadas das musas dos Esportes Aquáticos
» Nadadores levam até 25 minutos para colocar maiô
» O dia em que Michael Phelps virou um mero mortal

Para manter uma disputa mais "humana" na água, a Fina pretende investigar até a parte interna do maiô, em busca de bolsas de ar ocultas que ajudam o nadador a flutuar na piscina, segundo o jornal El País. Essa busca será feita já nesta quarta-feira, durante a disputa do Mundial de Esportes Aquáticos de Roma, na Itália.

Depois de ver 15 recordes serem quebrados, a piscina do Mundial de Roma servirá como laboratório para um grupo de cientistas do Instituto Federal de Tecnologia da Suíça. O comando está com o professor Jan Anders Manson, contratado pela Fina, no início do ano, para determinar os efeitos dos novos maiôs na natação.

De acordo com estudos chefiados por Manson, o maiô da Speedo, utilizado por nadadores como o americano Michael Phelps, é 50% impermeável e acumula menos ar que os demais. Já os modelos Jaked, Arena e Adidas são totalmente impermeáveis, segundo Manson, podendo acumular cerca de um litro de bolhas de ar no corpo.

Um litro de ar corresponde a uma força de 10 newtons de flutuabilidade, o que tornaria o maiô ilegal para a prática da natação, de acordo com as regras da Fina. Para descobrir onde essas bolhas são acomodadas, os cientistas analisarão, via imagens, áreas em que acreditam que o ar pode ser mantido: atrás dos joelhos, nas costas e nas pernas dos homens, e nos seios das mulheres.

Redação Terra