inclusão de arquivo javascript

Esportes

 
 

Felipe França leva prata e quebra tabu de 15 anos

29 de julho de 2009 13h48 atualizado às 16h24

Felipe França fatura medalha de prata em Roma. Foto: Sátiro Sodré/CBDA/Divulgação

Felipe França fatura medalha de prata em Roma
Foto: Sátiro Sodré/CBDA/Divulgação

O nadador Felipe França quebrou um tabu de 15 anos ao conquistar a prata dos 50 m peito, nesta quarta-feira. O Brasil não levava uma medalha em provas de piscinas do Mundial de Esportes Aquáticos desde 1994, quando ficou com dois bronzes na edição também realizada em Roma, na Itália.

» Veja as fotos da prova
» Veja as ampliadas das musas dos Esportes Aquáticos
» Cielo e Nicholas Santos vão à final nos 100 m livre
» Fina promete "ir a fundo" na investigação de maiôs

O brasileiro marcou 26s76 e foi superado apenas pelo sul-africano Cameron Van Der Burgh, que quebrou o recorde mundial com 26s67 e ficou com o ouro. O americano Mark Gangloff levou o bronze com 26s86.

O resultado quebra um jejum de 15 anos do Brasil sem medalhas na piscina de um Mundial. Em 1994, o Brasil conquistou duas medalhas de bronze, uma com Gustavo Borges (100 m livre) e outra no revezamento 4x100 m livre, cuja equipe era formada por Fernando Scherer, Teófilo Ferreira, Gustavo Borges e André Teixeira.

Outra brasileira já havia brilhado em Roma, Poliana Okimoto, bronze na prova de maratonas aquáticas, realizada no dia 21.

Felipe, 22 anos, chegou à Itália na condição de recordista mundial. Além da pressão, ele ainda sofreu com uma infecção intestinal. E, apesar do feito, demonstrou não ter saído totalmente satisfeito com o resultado.

"Foi difícil chegar na prata, mas eu queria o ouro", admitiu o nadador, em entrevista ao SporTV. "Fico muito honrado (em quebrar o jejum de 15 anos) e agradeço a todos que me apoiaram. Não sei explicar a sensação, eu só almeava o ouro. Estou datisfeito, mas ainda quero o ouro no futuro", declarou.

Técnico da Seleção e de Felipe, Ari Soares, por sua vez, não escondeu a emoção e chorou muito com a conquista. "Isso não foi feito da noite para o dia, é desde 2004. Todo mundo falava que o peito era o noss calcanhar de aquiles. Hoje estamos aí e só não batemos na frente porque o Cameron é execelente e tem mais experiencia. Agora vamos ganhar mais confiança no trabalho", destacou.

Outro brasileiro na prova, João Gomes Jr. foi o sétimo, com 27s31.

Com informações da Gazeta Press.

Redação Terra