inclusão de arquivo javascript

Esportes

 
 

Sem supermaiôs, Cielo se vê "duelando" com aposentado Popov

28 de outubro de 2009 08h20 atualizado às 08h47

Cielo está confiante em superar tempo de Popov sem supermaiô. Foto: Macelo Pereira/Terra

Cielo está confiante em superar tempo de Popov sem supermaiô
Foto: Macelo Pereira/Terra

Depois de conseguir quebrar o recorde mundial dos 100 m livres no Mundial de Roma, o brasileiro Cesar Cielo já começa a se acostumar a nova era da natação mundial sem a presença do maiô tecnológico como o modelo da Arena que usou na competição na Itália, onde saiu com a medalha de ouro nos 50 m e 100 m livres.

» Veja fotos de Cielo
» Cielo alfineta aval da CBDA e teme perder técnico
» Cielo pode dividir técnico com a seleção americana
» Cielo comemora investimento de patrocinador brasileiro
» Comente as declarações do nadador Cesar Cielo

Durante evento da marca de materiais para esportes aquáticos, o nadador ressaltou que não se preocupa tanto com a mudança de traje. "A bermuda em si não vai afetar a performance, eu acho. Eu voltei a nadar com os modelos menos tecnológicos, mas não vou me arriscar. Se todos fizerem um pacto de nadarem de bermudinha, então vamos todos dessa forma", disse Cielo.

"Acho que vai ser importante em relação à igualdade do material. Ano que vem, nós vamos colocar à prova, e talvez até nadem mais rápido de bermuda. Tem suas desvantagens, mas também tem o outro lado da moeda que não ficaremos aquele tempo para colocar o maiô, com a preocupação se irá rasgar", completou o nadador.

Apesar de não mostrar tanta importância para o tempo perdido dentro da água sem a utilização dos maios tecnológicos, Cielo regride dois anos no tempo e afirma que o desafio principal no momento é mostrar que os velocistas atuais conseguem ser mais rápidos que o russo Alexander Popov, aposentado desde 2004.

Popov era o detentor do recorde mundial dos 50 m livres com o tempo de 21s64, conquistado no ano 2000. Quando os maiôs tecnológicos começaram a entrar na natação, o australiano Eamon Sullivan conseguiu bater o tempo do russo ao marcar 21s56, em fevereiro de 2008. Atualmente, a marca de mais veloz do mundo pertence ao francês Frederick Bousquet, com 20s94.

"Em cima da melhora da bermuda creio que é possível fazer na casa dos 21s3, 21s2. O importante no momento é conseguir a marca de 21s63 para acabar com essas falas de que o Popov é mais rápido que os nadadores atuais".

Na busca para baixar seu tempo, Cielo se prepara para voltar às competições. Ainda neste ano, ele disputará o Campeonato Paulista, em Santos, de 13 a 15 de novembro, e o Open, no Pinheiros, de 16 a 20 de dezembro.

"Hoje eu nem reclamei que tive uma série forte. Meus tempos estão melhores do que eu estava esperando. O Albertinho (técnico de Cielo no Brasil) está pegando pesado. Cheguei aqui até enjoado", brincou Cielo.

O brasileiro se prepara também para voltar a rotina de treinos com o treinador australiano Brett Hawke na pacata cidade de Auburn, no estado do Alabama. Cielo diz que já está impaciente para retornar aos Estados Unidos. "Não vejo a hora de voltar para o Alabama. Sinto falta de me focar mais no que preciso, no que vale a pena".

Terra