Sochi 2014

publicidade
11 de fevereiro de 2014 • 16h17 • atualizado em 12 de Fevereiro de 2014 às 10h15

Esquiadora faz vídeo e fotos de topless e causa polêmica no Líbano

 

A esquiadora libanesa Jackie Chamoun, que disputa os Jogos Olímpicos de Inverno, em Sochi, deu muito o que falar nesta terça-feira, não pelos resultados esportivos, mas sim pela divulgação online de um vídeo no qual ela aparece fazendo topless, o que levou seu país a exigir uma investigação.

Veja vídeo da esquiadora que fez topless em SochiClique no link para iniciar o vídeo
Veja vídeo da esquiadora que fez topless em Sochi

No vídeo, publicado no site Youtube, mas que logo se espalhou pelo Twitter e pelo Facebook, a atleta, 22 anos, aparece com os seios à mostra e vestindo apenas uma calcinha durante uma sessão de fotos para um calendário. Nas fotos, a esquiadora tapa os seios com os esquis.

Após uma avalanche de comentários na internet, a maioria contrários à atitude, a especialista em slalom pediu desculpas via Facebook pelo ocorrido, explicando que só havia autorizado a publicação das fotos, e não do vídeo. "O vídeo era parte do 'making off' da sessão de fotos. Não deveria ter sido publicado", escreveu.

"Queria pedir desculpas a todos vocês. Sei que o Líbano é um país conservador e que essa imagem não reflete nossa cultura", continuou. "Tudo que peço é que parem de divulgar o vídeo, porque isto não me ajudará na minha concentração para o que é mais importante neste momento: meu treino e a competição", pediu a atleta.

Mas, longe de obedecer ao desejo da esquiadora, o ministro da Juventude e do Esporte do Líbano, Faycal Karamé, reagiu pedindo ao Comitê Olímpico Libanês que investigue o caso com o objetivo de "proteger a reputação do país".

Organizadores explicam baixa procura por ingressos em SochiClique no link para iniciar o vídeo
Organizadores explicam baixa procura por ingressos em Sochi

O Líbano é considerado um dos países mais abertos do mundo árabe em relação à liberdade de vestimenta e ao consumo de álcool, mas grande parte da sociedade ainda é profundamente conservadora.

Contudo, Chamoun, que já competiu nos Jogos Olímpicos de Vancouver, em 2010, recebeu também mensagens de apoio através das redes sociais. "Você tem o direito de fazer o que quiser. O Líbano não é um país conservador, é um país esquizofrênico", dizia uma delas.

AFP AFP - Todos os direitos reservados. Está proibido todo tipo de reprodução sem autorização.