0

Delegação paralímpica brasileira viaja segunda-feira para Inglaterra

13 ago 2012
07h21
atualizado às 10h41

Parte dos atletas paralímpicos brasileiros - 163, do total de 182 - viaja nesta segunda-feira para a Inglaterra, onde disputarão, de 29 de agosto a 7 de setembro, os Jogos Paralímpicos de Londres. A delegação se hospedará na cidade de Manchester, que fica no noroeste do país.

Venus Williams (EUA) - tênis
Venus Williams (EUA) - tênis
Foto: Reuters

Antes do embarque, os atletas participam em Guarulhos, na manhã desta segunda-feira, de uma cerimônia com as ministras Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos, e o vice-presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Luiz Cláudio Pereira.

Entre os atletas que viajam está a judoca Daniele Bernardes Milan, da categoria até 63 quilos. A atleta, que tem deficiência visual, conquistou ouro no Campeonato Mundial da Associação Internacional de Esportes para Cegos (Ibsa, em inglês) em abril do ano passado e espera repetir o feito na Paralimpíada de Londres. "Estou indo lá para isso, minha meta é essa", disse.

Letícia Oliveira Freitas, 18 anos, soube somente em junho deste ano que estaria na Paralimpíada de Londres. A nadadora, que também tem deficiência visual, conta que ficou surpresa com a convocação. "O meu objetivo principal era a Paralimpíada de 2016. Quando vi meu nome lá não acreditei", disse. A maior especialidade de Letícia é o nado borboleta, modalidade que não faz parte dos Jogos de Londres. Por isso, ela precisou modificar seu treinamento para disputar, individualmente, os 50 m livres, 100 m livres e 200 m medley.

No atletismo, André Luiz de Oliveira, 39 anos, praticamente não tem qualquer movimento na perna esquerda. Destaque do salto em distância, o atleta já conquistou o bronze no Parapan do Rio, em 2007. André também já foi medalha de prata no revezamento 4x100 m em Pequim (2008), mas este ano será reserva na modalidade devido a mudanças feitas nas regras pelo Comitê Internacional.

"A seleção pode colocar três atletas com deficiência superior e um com inferior. Como na inferior o Alan Fonteles é mais rápido do que eu, ele vai correr. Com isso, o Brasil ficou mais forte, tem mais chance de conquistar o ouro", explicou.

Nesta Paralimpíada, o Brasil participa de 18 das 20 modalidades que integram os Jogos. Participam, no total, 165 países com 4.200 atletas. Na última edição, em Pequim (2008), foram quebrados 279 recordes mundiais e o Brasil conquistou o 9º lugar, com 47 medalhas no total - 16 de ouro, 14 de prata e 17 de bronze. A meta da delegação é ficar, no mínimo, entre os sete primeiros no quadro geral de medalhas este ano.

Agência Brasil Agência Brasil

compartilhe

publicidade