0

Em visita ao Rio, Coe justifica orçamento de Londres 2012

19 mar 2012
17h04
atualizado às 17h18
Marcus Vinícius Pinto
Direto do Rio de Janeiro (RJ)

Nesta segunda-feira, o presidente do Comitê Organizador dos Jogos de Londres, Sebastian Coe, se defendeu, no Rio de Janeiro, das críticas dos parlamentares ingleses sobre o orçamento para a Olimpíada. Segundo o britânico, os 9,3 bilhões de libras (cerca de R$ 26,6 bilhões) de estrutura, e os 2 bilhões em operações (cerca de R$ 5,2 bilhões) já eram previstos desde 2005, minimizando o risco dos custos estourarem.

» Ronaldinho? Júlio César? Escolha quem você levaria para a Olimpíada
» Vote e eleja a mais bela atleta do Mundial Indoor de Istambul

"O orçamento está em boa forma, fazer isso em um período de economia tão turbulenta é algo incrível", disse Coe.

Acompanhado do presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Nuzman, Coe reconheceu que a maior preocupação de Londres é o tempo. "O importante é que faltam 18 segundas-feiras e ainda há muito o que fazer na parte operacional", afirmou.

Sobre as ameaças de superlotamento dos aeroportos da capital inglesa, o britânico disse que não haverá problemas. Para ele, na questão de passageiros, os seis aeroportos de Londres vão suportar o fluxo de pessoas. E o maior deles, o Heathrow, receberá uma obra provisória para o transporte de cargas.

Com a parceria entre as cidades de Londres e o Rio de Janeiro, Coe ficou muito satisfeito em ver atletas envolvidos na organização dos Jogos de 2016. "Ver os Jogos pelos olhos dos atletas é o mais importante", exaltou. E segundo Nuzman, "nunca na história dos Jogos Olímpicos, foi feita uma parceira como Londres e o Rio de Janeiro."

Coe, que visitou o Parque Aquático Maria Lenk e a favela da Rocinha, ainda afirmou que já viajou o mundo todo, e que nem sempre quem trabalha em uma organização tem ideia do que representa o poder de mobilização para uma Olimpíada. O britânico garantiu que os estádios estarão cheios e que Londres terá um público apaixonante.

A delegação brasileira terá o Crystal Palace como "casa" em Londres, e Coe disse que todos serão muito bem recebidos. Isso porque o presidente dos Jogos de 2012, quando atleta, treinava as provas de atletismo no mesmo local.

Sobre o legado da capital britânica, Coe afirmou que "se fosse há vinte anos bastaria uma edição de Jogos Olímpicos. Hoje o mais importante é o bem pensar da população local, as pessoas querem saber o que vai acontecer depois dos Jogos."

O pensamento do Comitê britânico para os próximos cinco anos é que os jovens pratiquem esportes com a mesma intensidade que agora, poucos meses antes do início da Olimpíada. Londres está desenvolvendo projetos esportivos em 24 mil escolas, e que estão investindo 9 bilhões de libras (cerca de R$ 25,7 bilhões) nesses projetos.

Coe defendeu que os Jogos na capital britânica sejam sustentáveis por conta do Parque Olímpico: "apenas construir coisas de grandes dimensões é uma coisa do passado". Ele deu como exemplo o Centro Aquático, que tem 17 mil lugares, mas apenas 3 mil vão permanecer após a Olimpíada, para que o espaço seja utilizado pela população local.

Ainda segundo Coe, Londres tem um programa de eventos pronto para os próximos 10 anos em todas as construções permanentes para os Jogos. Por ano, ao menos um campeonato mundial irá ocorrer de diferentes modalidades.

Londres 2012 no Terra

O Terra, maior empresa de internet da América Latina, transmitirá ao vivo e em alta definição (HD) todas as modalidades dos Jogos Olímpicos de Londres, que serão realizados entre os dias 27 de julho e 12 de agosto de 2012. Com reportagens especiais e acompanhamento do dia a dia dos atletas, a cobertura contará com textos, vídeos, fotos, debates, participação do internauta e repercussão nas redes sociais.

Ricardo e Emanuel levam ouro inédito nos Jogos de Atenas
Fonte: Terra
publicidade