6 eventos ao vivo

Governo pede que londrinos caminhem e trabalhem de casa

16 mai 2012
11h00
atualizado às 11h47

O governo britânico está orientando londrinos a caminhar mais e trabalhar de casa para evitar congestionamentos durante os Jogos Olímpicos. A orientação demonstra a preocupação das autoridades locais com a eventual superlotação do sistema de transportes durante o evento.

Governo tenta evitar superlotação dos transportes públicos durante os Jogos Olímpicos
Governo tenta evitar superlotação dos transportes públicos durante os Jogos Olímpicos
Foto: AP

» Brigas e dramas: relembre grandes momentos olímpicos
» Veja quais são os brasileiros classificados para Londres

A ministra dos Transportes da Grã-Bretanha, Justine Greening, participou de um vídeo no qual explica como ela mesma planeja mudar seus hábitos para conseguir cortar o número de deslocamentos durante as Olimpíadas.

"Em todo o departamento (de transportes) estamos tentando refazer as rotas, a forma e repensar o tempo (de deslocamentos) e, no geral, reduzir nossas viagens", disse Greening em um vídeo promocional para o Departamento de Transportes.

A ministra acrescentou que, atualmente, ela está caminhando até seu gabinete para trabalhar. Vários ministros britânicos informaram que seus departamentos planejam mudar cerca de 50% dos planos de deslocamento durante os jogos.

O chefe de gabinete do governo britânico, Francis Maude, informou que voltou a usar a bicicleta para se deslocar para o trabalho. "Precisaremos fazer isso para as Olimpíadas", disse.

A autoridade municipal de transportes de Londres, a "Transport For London" (TFL), também iniciou uma campanha com a participação de praticantes de parkour (modalidade também conhecida como freerunning) para estimular os moradores da capital britânica a trocarem as viagens curtas no metrô por caminhadas.

Além disso, funcionários públicos também estão sendo estimulados a trabalhar de casa durante os jogos. Estima-se que, durante os Jogos Olímpicos entre julho e agosto, sejam feitas três milhões a mais de viagens no sistema de transporte público de Londres.

No Brasil, preocupação semelhante levou as autoridades a incluírem na Lei Geral para a Copa de 2014 a possível alteração das férias escolares para reduzir a necessidade de deslocamentos durante a competição.

Mapas e pedidos

A campanha da TFL que começou em Londres começou na estação de trens e metrô de Waterloo, onde foram distribuídos mapas explicando que pode ser mais rápido fazer uma caminhada, se o percurso não for longo, do que tentar usar a linha de metrô conhecida como Jubilee, que deverá ficar lotada durante os jogos, por exemplo.

A campanha compara os tempos de caminhada, em alguns casos, minutos, entre dois pontos próximos e o tempo gasto caso a pessoa escolha usar o metrô. Em horários mais movimentados, a caminhada de minutos pode se transformar em uma viagem de meia hora nos trens, segundo a TFL.

A autoridade municipal de transportes de Londres pede aos londrinos que reavaliem outras opções, como usar bicicleta, caminhar ou mesmo trabalhar de casa.

Segundo o jornal britânico Times, a partir do dia 21 de julho, seis dias antes da abertura dos jogos, até o dia 9 de setembro, depois do fim das Paraolimpíadas, dezenas de milhares de funcionários públicos poderão trabalhar de casa.

"As pessoas podem ser bem mais produtivas se trabalharem por mais tempo de casa", disse o chefe de gabinete do governo britânico, Francis Maude.

A organização dos Jogos Olímpicos também já criou mais de 48 quilômetros a mais de pistas em Londres para uso exclusivo de atletas, autoridades e dignatários durante os jogos.

Londres 2012 no Terra

O Terra, maior empresa de internet da América Latina, transmitirá ao vivo e em alta definição (HD) todas as modalidades dos Jogos Olímpicos de Londres, que serão realizados entre os dias 27 de julho e 12 de agosto de 2012. Com reportagens especiais e acompanhamento do dia a dia dos atletas, a cobertura contará com textos, vídeos, fotos, debates, participação do internauta e repercussão nas redes sociais.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
publicidade