1 evento ao vivo

Londres teme que Argentina use Jogos para protestar pelas Malvinas

24 jun 2012
16h17
atualizado em 26/6/2012 às 14h55

O Reino Unido teme que a Argentina possa utilizar os Jogos Olímpicos de Londres como plataforma para manifestar sua reivindicação pelas Ilhas Malvinas, revela neste domingo o jornal The Sunday Times .

A Seleção Brasileira feminina de vôlei derrubou a invencibilidade da China no Grand Prix e confirmou sua classificação na competição ao vencer as anfitriãs na partida deste domingo, em Luohe, por 3 a 0, com parciais de 25/20, 25/22 e 25/19
A Seleção Brasileira feminina de vôlei derrubou a invencibilidade da China no Grand Prix e confirmou sua classificação na competição ao vencer as anfitriãs na partida deste domingo, em Luohe, por 3 a 0, com parciais de 25/20, 25/22 e 25/19
Foto: FIVB / Divulgação

» Escolha a atleta mais bela dos Jogos Olímpicos de Londres 2012
» Brigas e dramas: relembre grandes momentos olímpicos
» Saiba todos os detalhes dos atletas brasileiros que estarão em Londres

O Ministério de Relações Exteriores britânico recebeu informação secreta que aponta a que a Argentina tentará aproveitar o evento esportivo para chamar a atenção de todo o mundo sobre sua reclamação quanto à soberania das ilhas do Atlântico Sul.

Em 2012, são lembrados os 30 anos da guerra entre Argentina e Reino Unido pela posse das Malvinas e que terminou com a vitória dos britânicos. Aparentemente, o governo britânico está preocupado com a possibilidade de haver uma manifestação de atletas argentinos similar à que fizeram desportistas afro-americanos nos Jogos de 1968, na Cidade do México, em cerimônias de entrega de medalhas.

Na ocasião, Tommie Smith, medalhista de ouro nos 200 metros rasos, e John Carlos, de bronze, levantaram o punho e, sem calçados, exibiram meias pretas para representar a pobreza. Segundo o jornal inglês, Londres teme que qualquer gesto por parte dos atletas argentinos seja divulgado pela imprensa do mundo todo, o que aprofundará ainda mais as já tensas relações entre os dois países por causa do conflito das Malvinas.

"Estamos preocupados que a Argentina aproveite os Jogos Olímpicos para protestar pelas Falklands (como os britânicos chamam as Malvinas) e estamos vendo o que podemos fazer. Eles parecem determinados a apresentar seu caso diante de qualquer oportunidade", disse ao jornal uma fonte do Foreign Office, o Ministério do Interior britânico.

Na semana passada, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, foi abordado pela presidente da Argentina, Cristina Kirchner, na cúpula do do G20 em Los Cabos (México). Na ocasião, Cristina tentou entregar a Cameron documentos relacionados com a reivindicação das Ilhas Malvinas, mas o premiê se negou a aceitá-los.

De acordo com The Sunday Times , o Comitê Olímpico Internacional (COI) informou ao Comitê Organizador Local dos Jogos de Londres (Locog) que há regras muito estritas sobre os uniformes dos atletas e garantiu que os atletas argentinos não exibirão símbolos políticos. No entanto, o governo está preocupado que alguns deles possam fazer algum tipo de protesto.

Além disso, o jornal britânico informou que há um temor que um grupo argentino de esquerda denominado Hinchadas Unidas Argentinas planeje uma viagem para Londres para protestar.

Recentemente, o Governo do Reino Unido expressou insatisfação pela divulgação na Argentina de um vídeo gravado em segredo no qual se via um atleta argentino em atividade nas Malvinas. No fim, havia a mensagem: "para competir em solo inglês, treinamos em solo argentino".

Diante das tensões entre os dois países, o Governo das Ilhas Malvinas anunciou recentemente que realizará um plebiscito para decidir seu futuro político, mas se nega a dialogar com Buenos Aires.

EFE   
publicidade