0

México valoriza tradição e saúda futuro em festa apoteótica

14 out 2011
22h07
atualizado em 15/10/2011 às 01h51

Allen Chahad
Celso Paiva
Renato Pazikas
Tarian Chaud
Direto de Guadalajara (México)

A organização dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara promoveu uma festa apoteótica na noite desta sexta-feira, dia em que a 16ª edição do evento esportivo mais popular das Américas acabou inaugurado. Transitando entre o passado tradicional dos mariachis e a modernidade de shows pirotécnicos e música eletrônica, a cerimônia de abertura cativou o público presente no Estádio Omnilife. Apesar de todo o espetáculo técnico, a emoção não foi esquecida, especialmente no discurso do atual presidente mexicano, Felipe Calderón.

Grande parte cerimônia de abertura dos Jogos Pan-Americanos de 2011 ficou marcada pela apresentação das tradições culturais do México. Depois de uma contagem regressiva de 30s, o conhecido cantor Vicente Fernández, um dos principais artistas da história do país, subiu ao palco e apresentou a típica música rancheira, tradicional especialmente na região de Jalisco, ao lado de mariachis e dançarinas típicas.

As luzes do estádio se apagaram e promoveram uma enorme gritaria no Estádio Omnilife. O público acompanhou segundo a segundo a contagem regressiva promovida pela organização. A energia aumentou ainda mais quando Vicente Fernández, nascido na região de Jalisco e dono de mais de 50 milhões de cópias de discos, interpretou o hino nacional mexicano, acompanhado devidamente em coro pelo público.

Com o hino cantado, a bandeira hasteada e o grito de "viva, México", Fernández comandou o início da festa ao interpretar Mexico Lindo e Guadalajara, acompanhado por mariachis. Com sombreiro e um fino bigode, o artista promoveu uma grande festa para o público, que vibrou a cada nova atração, como a entrada de cavalos e os giros das dançarinas, vestidas de verde e vermelho, duas das cores da bandeira mexicana.

Com a voz poderosa e carisma, Vicente Fernández deixou o palco do Estádio Omnilife ovacionado pelo público em Guadalajara depois de interpretar a Marcha de Zacatecas. O cantor abriu espaço para uma apresentação solo em trompete da música El Niño Perdido, que antecedeu à entrada de todas as delegações para a edição mexicana dos Jogos Pan-Americanos.

Mesmo quebrando o protocolo da programação oficial, a Argentina foi a primeira delegação a entrar no estádio, seguida pelas minúsculas formações de Antígua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Belize, Bermudas e Bolívia. O público demonstrou simpatia, mas guardou a maior festa para o grupo seguinte: o Brasil.

Com mais de 500 atletas presentes em Guadalajara, a delegação brasileira, com 270 esportistas presentes no evento desta sexta-feira, recebeu uma grande homenagem do público mexicano. Devidamente trajados com as cores da bandeira nacional, os competidores carregaram uma bandeira do País e outra do México, atitude que conquistou a simpatia do público.

Depois do Brasil, o Canadá, principal adversário do País na disputa pela terceira força do quadro de medalhas (atrás de Cuba e Estados Unidos), desfilou para o público em Guadalajara. Puxada por Christine Sinclair, estrela do futebol feminino, a nação da América do Norte foi bem recebida pelas pessoas presentes no Estádio Omnilife.

A boa recepção aos canadenses se repetiu com outra grande delegação do evento: Cuba. Adversários diretos dos Estados Unidos pela liderança do quadro de medalhas, os cubanos foram ovacionados e comemorados pelo público nas arquibancadas.

A simpatia do público mexicano também acabou demonstrada no momento em que os Estados Unidos entraram no estádio. Vaiados em outras oportunidades, os americanos acabaram bem recebidos pela torcida mexicana, que recebeu os principais favoritos ao título de campeão do quadro de medalhas com palmas e gritos positivos.

Entretanto, nenhuma festa se comparou ao momento em que o México passou pelo túnel de entrada no gramado do Estádio Omnilife. Vestidos como mariachis, com camisa e sombreiro brancos, e lenço nas cores da bandeira (verde, vermelho e branco), os atletas da casa acabaram aplaudidos de pé pelas autoridades, como o presidente da Organização Esportiva Pan-Americana (Odepa), Mário Vazquez Raña. O público, por sua vez, acompanhou o desfile saudando os competidores com os gritos de "México, México, México".

Depois de quase uma hora de desfile das 42 delegações, o palco localizado no centro do gramado do estádio pertencente ao Chivas Gudalajara acabou ocupado pelo rock do Maná. A banda mexicana, que se apresentou recentemente no Rock in Rio 2011, recebeu o carinho do público especialmente durante a segunda música que cantou, Labios Compartidos. O sucesso promoveu um grande coro por parte das pessoas na cerimônia.

Presidente é ovacionado e promete "uma competição com o coração do México"

A cerimônia prosseguiu emocionante. Ovacionado pelo público presente no Estádio Omnilife, o presidente mexicano, Felipe Calderón, seguiu o protocolo ao abrir oficialmente os Jogos Pan-Americanos. O político prometeu um evento inesquecível, para enorme saudação dos mexicanos na cerimônia.

"Neste dia 14 de outubro de 2011, os Jogos simbolizam a união fraterna e a prosperidade que desejamos a todos os povos da América. Declaro solenemente inaugurados a 16º edição dos Jogos Pan-Americanos; que seja uma competição do coração do México para toda a América", discursou.

Anteriormente, a cantora Eugenia León interpretou Sigue tus Sueños, música que contou com a apresentação de crianças vestidas de esportistas. O momento simbólico com a renomada cantora mexicana antecedeu os discursos oficiais que abriram oficialmente os Jogos. Emilio González Marquez, governador de Jalisco, e Mario Vazquez Raña, presidente da Odepa, monopolizaram a atenção do público para iniciar as atividades.

O político mexicano pediu para que o evento mude a cara da América. "Espero que seja o início de mostrar uma nova identidade, trabalharemos para criar soluções. O atleta tem que ser mais alto, mais rápido e mais forte no esporte e na vida. É o progresso e desenvolvimento do povo. Tomara que seja a ocasião para avançar em uma América unida desde o Alasca até a Patagônia, uma América solidária, justa e pacífica. Bem-vindos a Guadalajara", discursou.

O discurso comemorado pelo público deu o tom certo para Vazquez Raña promover a abertura do Pan. "Quero agradecer aos esforços de nossos comitês olímpicos nacionais. Com todo respeito do nome da Organização Esportiva Pan-Americana (Odepa), tenho a honra de chamar Felipe Calderón, presidente do México, para declarar oficialmente aberto a 16ª edição dos Jogos Pan-Americanos", disse.

Modernidade, emoção e voo marcam final de festa apoteótica

O discurso emocionante do governador de Jalisco e do presidente mexicano promoveu uma verdadeira transformação na cerimônia de abertura: a transição da tradição mariachi para a modernidade da música eletrônica. Os músicos, que promoviam as batidas com tablets, promoveram uma grande "balada", a qual acabou acompanhada de um lindo show colorido de luzes e fogos.

A interação do público durante o cerimonial de música eletrônica se manteve até o momento em que as bandeiras da Odepa e do símbolo olímpico entraram no estádio. Carregadas por nomes notáveis do país-sede, como a Miss Universo 2010, Ximena Navarrete, o ex-jogador do Barcelona Rafa Márquez e o lendário boxeador Júlio César Chávez.

As lendas mexicanas, entretanto, acabaram ofuscadas pelo voo da atual ídolo do país, a mergulhadora Paola Espinosa, medalhista de bronze na Olimpíada de Pequim, em 2008. A competidora, principal esperança do país para o ouro no salto ornamental, "flutuou", devidamente presa por cabos, para alcançar a pira pan-americana e emocionar o público presente na cerimônia de abertura.

A festa apoteótica simbolizou o plano de transição entre o passado e o futuro. Enquanto no início o lendário cantor Vicente Fernández empolgou o público com a tradição mariachi, o filho do intérprete, Alejandro Fernández fechou a abertura, em Guadalajara, da 16ª edição dos Jogos Pan-Americanos.

Pan 2011 no Terra

O Terra transmite simultaneamente até 13 eventos, ao vivo e em HD, dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara via web, tablets e celular.Com uma equipe com mais de 220 profissionais, a maior empresa de Internet da América Latina realiza a mais completa cobertura da competição que acontece de 14 a 30 de outubro, trazendo, direto do México, a reação dos atletas, detalhes da organização e toda a competição, com conteúdo em texto, fotos, vídeos, infográficos e muita interatividade. Nas redes sociais, você acompanha a cobertura dos Jogos na fanpage do Terra, e confere os bastidores em tempo real no Facebook e no Twitter.

Acesse também a cobertura em:

http://m.terra.com.br/guadalajara2011
http://tablet.terra.com.br/guadalajara2011
http://wap.terra.com.br/pan2011/
http://www.facebook.com/TerraBrasil

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade