7 eventos ao vivo

Diretoria do Joinville dispara contra polícia e arbitragem no PV

17 set 2012
21h57

Um pênalti marcado para o Ceará e um gol anulado nos minutos finais da derrota por 4 a 3 revoltaram os jogadores do Joinville no gramado do Presidente Vargas. Um dos mais exaltados, o goleiro Ivan foi reclamar com o árbitro Alício Pena Júnior e acabou se envolvendo em uma confusão com policias e foi detido no estádio.

O Joinville reclamou da arbitragem e da polícia no jogo ante o Ceará
O Joinville reclamou da arbitragem e da polícia no jogo ante o Ceará
Foto: LC Moreira / Agência Lance

» Veja destaques da Série B que podem reforçar times da 1ª divisão

Presidente do conselho deliberativo do clube catarinense, Marcus Alexandre Silva disparou contra os acontecimentos em Fortaleza. "O que eu vi foi uma atitude de uma Polícia Militar completamente despreparada. Chama a minha atenção não porque é apenas um empregado do nosso clube que foi constrangido a ir a uma delegacia, mas é porque essa polícia que vai fazer a segurança da Copa do Mundo", afirmou.

Apesar da influência da arbitragem, o cartola se mostrou muito mais irritado com a situação do goleiro Ivan, que chegou a deixar o gramado chorando copiosamente após a confusão com os policiais no Presidente Vargas.

"Eu estou como presidente do conselho há 60 dias. Desde lá, estamos engolindo muita coisa. Agora, além dos erros de arbitragem, somos obrigados a ver um empregado nosso receber voz de prisão? Isso aí já é exagero", lamentou Marcus Alexandre.

Quem também endossou o discurso contra o juiz da partida foi o técnico Leandro Campos, que citou um suposto jeito "caseiro" na maneira do árbitro administrar as partidas. "Se fosse a favor do Ceará, o gol seria validado. Não sei o que acontece. Nos jogos que o Alício apita, é impressionante como existe uma tendência ao time da casa. Isso me deixa abismado", destacou o treinador.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
publicidade