1 evento ao vivo

Vôlei: Brasil garante duas duplas femininas nas oitavas e duas na repescagem do Circuito Mundial

11 jun 2015
22h36
  • separator
  • 0
  • comentários

As quatro duplas femininas que representam o Brasil no Major Series de Stavenger seguem firmes em busca de medalhas na Noruega. Pelo encerramento da fase de grupos, nesta quinta-feira (11.06), Ágatha/Bárbara Seixas (PR/RJ) e Maria Clara/Carol (RJ) venceram e foram direto às oitavas de final, por terem terminado em primeiro na chave. Fê Berti e Taiana (RJ/CE) também venceram, mas terão que disputar a repescagem, mesma situação de Juliana/Maria Elisa (CE/PE), que perdeu na fase de grupos, mas avançou em segundo lugar. 

Ágatha e Bárbara Seixas (PR/RJ) enfrentam as vencedoras do confronto entre as chinesas Fan Wang e Yuan Yue contra as canadenses Melissa Humana-Paredes e Taylor Pischke. Maria Clara e Carol aguardam o time vencedor do confronto entre Fernanda Berti/Taiana (RJ/CE) e Kinga Kolosinska/Monika Brzostek, da Polônia. Já Juliana e Maria Elisa (CE/PE) disputam a repescagem contra as suíças Isabelle Forrer/Anouk Vergé-Dépré. Se passarem, as brasileiras encaram as tchecas Kristyna Kolocova e Marketa Slukova.

Ágatha e Bárbara Seixas enfrentaram as canadenses Kristina Valjas e Jamie Broder para manter 100% de aproveitamento no Major Series de Stavanger, e encontraram dificuldades no início da partida. As brasileiras, porém, controlaram o jogo e levaram a primeira parcial em 21/16. Na segunda etapa, o time do Canadá, que havia vencido o as brasileiras nas quartas de final do no Major Series de Porec, na última semana, cresceu no jogo. Mas após extensos rallys, Ágatha e Bárbara Seixas fecharam o set em 27/25 e o jogo em 2 sets a 0, em 45 minutos.

Quem também se deu bem nesta quinta-feira foi a dupla Maria Clara e Carolina (RJ). O jogo contra as cabeças de chave do grupo C, Marta Menegatti e Viktoria Orsi Toth, da Itália, tinha tudo para ser uma verdadeira pedreira para o Brasil. Mas, praticando um voleibol consistente, as irmãs Salgado tornaram o jogo favorável, fechando em 21/19 a primeira etapa. No segundo set as cariocas seguiram com o controle do jogo, e fecharam a última parcial em 21/18 e o jogo em 2 sets a 0, em 40 minutos de duração.

- Passar em primeiro lugar no grupo nesse momento foi muito importante. É um jogo a menos, um dia que eu posso descansar meu corpo por conta da lesão no abdômen, e obviamente qualquer alívio é maravilhoso. Então estamos muito felizes, fizemos dois jogos bons, principalmente contra as italianas. - avaliou Maria Clara.

Na chave E, Fernanda Berti e Taiana (RJ/CE) entraram em quadra com a missão de superar a dupla alemã Laura Ludwig e Kira Walkenhorst para seguirem na disputa, e conseguiram. Ligadas na partida, a parceria que partiu do country quota na Noruega freou o ímpeto das adversárias e faturou os dois sets, com parciais de 21/17 e 21/19 - em bela largada no fundo da quadra de Fê Berti-, em 36 minutos. 

- Foi um jogo difícil, com os times muito parecidos. A Fernanda teve uma presença de bloqueio que foi importante, eu consegui defender algumas bolas e conseguimos essa vitória que nos credenciam na próxima fase. - comemorou Taiana.

Já Juliana e Maria Elisa (CE/PE), que haviam vencido seus dois jogos ontem, sofreram um revés para as cabeças de chave do grupo D. Borger e Büthe, da Alemanha, levaram a melhor no primeiro set, com 21/18. Na segunda etapa o Brasil reagiu e largou em vantagem. Com o controle do set e do placar, as atuais campeãs do mundo fecharam a etapa em 21/16, forçando o set desempate. 

O tie-break foi disputado ponto a ponto, com os times se alternando na ponta do placar. A partir da casa dos 10 pontos, em um lance controverso com a arbitragem a Alemanha abriu vantagem, conquistando quatro match points e fechando o set em 15/11 e o jogo em 2 sets a 1.

O Major Series de Stavanger será o segundo de três na temporada do Circuito Mundial. Ele possui a mesma pontuação, formato e premiação que os Grand Slams. A cidade no litoral sul da Noruega já recebeu 14 eventos no naipe masculino e 11 no feminino.

A corrida olímpica brasileira será definida da seguinte forma: uma dupla masculina e uma dupla feminina conquistarão a classificação para a Olimpíada de 2016 pela pontuação obtida nos nove principais eventos do Circuito Mundial 2015 (cinco Grand Slams, três Major Series e Open do Rio de Janeiro). Os times poderão descartar os dois piores resultados ao longo da temporada.

Em 2015, o calendário do Circuito Mundial prevê cinco Grand Slams, três Major Series, dez Opens, o Campeonato Mundial e o World Tour Finals, que reunirá apenas os oito melhores times da temporada de cada gênero. Cada torneio possui pontuação e premiação distintas, mas serão distribuídos ao todo mais de 9,6 milhões de dólares.

Os times vencedores da etapa de Stavanger nos dois gêneros somam 800 pontos no ranking do Circuito Mundial e garantem um prêmio de 57 mil dólares. Ao todo, 400 mil dólares são distribuídos aos atletas em cada um dois gêneros. Logo após a Noruega, ocorre o Grand Slam de St Peterburg, na Flória (EUA) entre 16 e 21 de junho.

Lance!
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade