0

Bronze, Guilheiro admite cansaço: "deixei meu judô no Brasil"

25 ago 2011
14h34
atualizado às 17h09
  • separator
Allan Farina
Direto de Paris (França)

O bronze em um Mundial de Judô é uma grande conquista para a maioria dos atletas. Para Leandro Guilheiro, a medalha é um feito importante, mas com gosto amargo. Um dos favoritos ao ouro dos meio-médios, o brasileiro não avançou à final e conquistou o terceiro lugar na sequência. Após a luta, o judoca admitiu cansaço e reconheceu que não exibiu uma boa forma técnica no evento realizado em Paris.

"Essa semifinal que eu perdi, já ganhei desse mesmo cara aqui em Bercy tranquilo. Era uma luta em que eu estava bem, acabei errando, tomei uma queda e perdi a semifinal. Mérito dele que soube usar a oportunidade. Vocês acompanharam meu dia, foi sofrido. Foi tudo na cabeçada, no chute, parece que eu deixei meu judô no Brasil", explicou o judoca, derrotado pelo montenegrino Srdjan Mrvaljevic na semifinal.

"Eu estava me sentindo um pouco cansado, não sei por quê. Acho que as coisas não estavam fluindo. Hoje a coisa não estava engrenando. Aqui é um lugar onde eu adoro lutar, venci Grand Slam no ano passado, mas as coisas não aconteceram. Não foi por aspecto emocional ou lesão porque eu estou inteiro. De repente foi cansaço, foi o momento da temporada que pesou para mim. Mas tenho tempo para pensar nisso", afirmou.

Desde que subiu para a categoria até 81 kg, em 2009, Guilheiro conseguiu medalha em 14 dos 15 torneios que disputou, só não subindo ao pódio no Grand Slam de Moscou de 2010. No último Mundial, disputado em Tóquio, ficou com a prata.

"É uma medalha de campeonato mundial. Se eu dissesse que estou feliz estaria mentindo, porque queria ser campeão mundial. Acho que tinha totais condições. Mas foi em um dia difícil, que tive que dar cabeçada, saí todo arranhado, machuquei os dedos e saí com mais uma medalha de campeonato mundial. Acho que isso mostra minha força mental, de coração. Quando o judô me abandona, tem todo o restante", explicou.

Voltando ao Brasil com o bronze, Guilheiro agora buscará reparar o que falhou em Paris. "Não acredito em dia, tem que ser. Tem motivo. Vou vasculhar bem, estudar com meu preparador físico. Mas vou pensar bem na minha temporada, ver onde de repente eu pisei em falso. Mas estou dando essa entrevista e parece que eu perdi na primeira luta", brincou.

A semifinal foi perdida para o montenegrino após um wazari marcado a favor do brasileiro ter sido considerado um yuko. Apesar da mudança da arbitragem, Guilheiro não reclama. "Eu não tenho visão quando entra a queda, então não vou ficar culpando a arbitragem. Mas eu não vi. Mesmo se eu falar 'poxa, foi wazari?', cabe a mim dar o ippon. É mérito do montenegrino", resumiu.

Guilheiro admite cansaço: "deixei meu judô no Brasil"
Fonte: Terra
publicidade