PUBLICIDADE

Londres segue Pequim e tem judô truncado e com poucos ippon

4 ago 2012 22h00
Publicidade
Allan Farina
Direto de Londres

Quem foi ao judô da Olimpíada de Londres buscando lutas com muita técnica e pontos não saiu completamente satisfeito. As lutas da modalidade seguiram o padrão já visto em outras edições dos Jogos e contaram com duelos truncados e de poucos ippon, a pontuação máxima que já encerra a disputa ao ser obtida. Somente 47,5% das lutas foram concluídas desta maneira.

» Escolha o esporte e assista aos vídeos da Olimpíada de Londres
» Saiba tudo sobre os medalhistas do Brasil em Londres
» Veja como foram as conquistas dos brasileiros
» Veja mapa e conheça tudo sobre o Parque Olímpico de Londres
» Confira a programação de ao vivo do Terra
» Veja a agenda e resultados dos Jogos de Londres

O número repete o que foi visto na Olimpíada de Pequim, em que também 47% das disputas contaram com ippon. O número é bem inferior se comparado ao Mundial de Paris, ocorrido em 2011, que viu a pontuação máxima do judô em 67,5% das lutas. Este fato, porém, tem uma explicação simples.

"Olimpíada é uma competição que só existe de quatro em quatro anos. E os melhores estão aqui. Em campeonatos mundiais e continentais atletas mais fracos também participam. Aqui é completamente diferente, o nível é muito mais próximo uns dos outros. Por isso é normal que não haja tantos ippon. E depois os atletas não querem perder, então não se arriscam tanto nas lutas", disse Rui Rosa, técnico da seleção portuguesa.

Outro ponto visto na Olimpíada de Londres foi o grande número de lutas decididas no golden score, a prorrogação de três minutos. Para o pesado Rafael "Baby" Silva conquistar seu bronze, por exemplo, foi necessário passar quatro vezes pelo tempo extra.

"Isso acontece porque o judô está se nivelando bastante. Os atletas não deixam fazer a pegada direito, não dão oportunidade. E a regra incentiva isso. Não dá tempo de manter a pegada. Todo mundo vem anulando e sai um judô em que a técnica deixa a desejar", afirmou Luiz Shinohara, treinador do time masculino do Brasil.

"Mas quando chega nesse nível aqui, os atletas estão muito próximos uns dos outros. Acho que um pouco em função disso é difícil de ter um ippon. Mas a busca tem que ser essa, sempre tentar o ippon, mas é difícil nesse nível", complementou.

O judô dos Jogos de Londres ainda teve como característica o excesso de punições recebidas pelos atletas. Foram 359 shido em 254 lutas, média de cerca de 1,41 penalidades aplicadas em cada combate. É um número bem superior ao Mundial de 2011, que teve uma média de cerca de 0,85 punições por duelo (452 shido em 531 lutas).

Olimpíada ao vivo no Terra
O Terra, maior empresa de internet da América Latina, transmite ao vivo e em alta definição (HD) todas as modalidades dos Jogos Olímpicos de Londres. Com reportagens especiais e acompanhamento do dia a dia dos atletas, a cobertura conta com textos,vídeos,fotos, e participação do internautae repercussão no Facebook.Siga também a cobertura no Twitter e participe com a hashtag: #TerraLondres2012

Rafael "Baby" passou por quatro prorrogações para conquistar a medalha de bronze
Rafael "Baby" passou por quatro prorrogações para conquistar a medalha de bronze
Foto: Marcelo Pereira / Terra
Fonte: Terra
Publicidade